Primeiro-ministro da Tunísia anuncia renúncia após crise política

Hamadi Jebali anunciou que formaria um governo tecnocrata após o assassinato do líder opositor Chokri Belaid

estadão.com.br,

19 de fevereiro de 2013 | 15h32

TÚNIS - O primeiro-ministro da Tunísia, Hamadi Jebali, anunciou sua renúncia nesta terça-feira, 19, após a crise política que teve início com o assassinato do líder da oposição Chokri Belaid no último dia 6. O anúncio foi feito depois de uma reunião com o presidente Moncef Marzouki.

O partido de Jebali, que domina o governo, rejeito sua decisão de formar um governo tecnocrata, alegando que o país ainda precisa de um governo de políticos. Jebali havia anunciado a dissolução do gabinete ministerial e a formação de um governo de unidade nacional dominado por tecnocratas sem filiação política após a morte de Belaid.

De acordo com a rede Al Arabiya, Jebali afirmou que sua renúncia não significa que a revolução no país tenha falhado.

O líder opositor foi assassinado quando saía de sua casa, em Túnis. Ele chegou a ser socorrido em um hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Após a confirmação de sua morte, manifestantes tomaram as ruas de Túnis.

O primeiro-ministro já havia dito que estava pronto para se demitir caso não recebesse amplo apoio político para seu novo gabinete. Com informações da AP 
Tudo o que sabemos sobre:
TunísiaHamadi JebaliChokri Belaid

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.