Zoubeir Souissi/Reuters
Zoubeir Souissi/Reuters

Primeiro-ministro da Tunísia renuncia ao cargo

Decisão é parte de acordo com a oposição para concluir a transição para a democracia

O Estado de S. Paulo,

09 de janeiro de 2014 | 12h48

TÚNIS - O primeiro-ministro da Tunísia, Ali Larayedh, renunciou nesta quinta-feira, 9, como parte de um acordo com a oposição para concluir o processo de transição para a democracia. "Eu acabo de entregar a minha renúncia ao presidente", disse a jornalistas o premiê islamita.

"O presidente vai indicar como novo primeiro-ministro Mehdi Jomaa em breve, e ele vai apresentar seu novo gabinete nos próximos dias."

Três anos após uma revolta popular contra o ditador Zine el-Abidine Ben Ali, a Tunísia está no estágio final para estabelecer uma democracia completa antes de eleições, que devem ocorrer neste ano. A renúncia é vista como uma admissão implícita do fracasso dos islamitas em gerir a transição no país após a queda do ditador.

A Tunísia, um dos países mais seculares do mundo árabe, tem sofrido com as divisões sobre o papel do Islã e o surgimento de militantes islâmicos radicais desde a revolta de 2011, que inspirou outras na região.

O assassinato de dois líderes de oposição por homens armados no ano passado fortaleceu os adversários seculares do partido islâmico Ennahda, que tomaram as ruas do país exigindo a renúncia dos integrantes do partido e os acusando de serem condescendentes com os radicais.

O Ennahda chegou a um acordo no ano passado com o principal grupo de oposição, o Nidaa Tounes, para entregar o poder quando os partidos terminassem de escrever a nova Constituição, estabelecessem a data para uma eleição e nomeassem um conselho eleitoral para supervisionar a votação./ AP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
TunísiapremiêAli Larayedh

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.