Primeiro-ministro da Turquia faz apelo por unidade nacional

O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, fez um apelo pela estabilidade e chamou atenção para seu bom desempenho na economia em um discurso à nação realizado nesta segunda-feira, 30, em meio ao tumulto político que opõe seu governo, de orientação islâmica, à tradição secularista do país, defendida pelas Forças Armadas."Quatro anos e meio atrás, este país era assolado por problemas graves, que felizmente foram superados, um a um", disse Erdogan, cujo governo foi eleito em 2002, em meio a uma crise financeira marcada pela alta da inflação e pela desvalorização da moeda."Neste momento, basta que protejamos o ambiente de estabilidade, basta que protejamos o ambiente de paz. Basta que não prejudiquemos o ambiente de confiança que trabalhamos tanto para construir", disse o chefe do governo, em rede nacional de televisão. Ergodan lembrou que a taxa de crescimento da economia ficou em 7,3% entre 2003 e 2006, e que a renda per capita anual quase dobrou, chegando a mais de US$ 5 mil (R$ 10 mil) durante o período de seu governo. Mas o mercado de ações caiu nesta segunda-feira, em resposta ao tumulto político, um dia depois de mais de 70 mil manifestantes pró-secularismo terem saído às ruas para protestar contra uma administração que, temem eles, estaria levando o país rumo a um Estado islâmico. Erdogan fez seu pronunciamento em maio a pedidos de eleições antecipadas e temores de uma intervenção militar na política.A base do conflito é a candidatura do chanceler Abdullah Gul, um aliado de Erdogan, à Presidência. Grupos seculares temem que Gul use o cargo de presidente, que tem poder de veto sobre a legislação, para corroer a separação entre religião e Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.