Julien Warnand/Efe
Julien Warnand/Efe

Primeiro-ministro da Ucrânia diz que decisão da Crimeia é 'ilegítima'

Yatseniuk afirmou que o país irá responder a uma 'invasão por forças estrangeiras'

O Estado de S. Paulo,

06 de março de 2014 | 11h25

BRUXELAS - O primeiro-ministro interino da Ucrânia, Arseni Yatseniuk, exigiu que a Rússia retire suas tropas da Crimeia e interrompa o apoio aos separatistas ucranianos. O Parlamento da Crimeia aprovou nesta quinta-feira, 6, fazer parte da Rússia e convocou um referendo para o dia 16.

"Essa é uma decisão ilegítima e esse referendo não tem base legal. O governo da Ucrânia pede que a Rússia não apoie os que buscam a separação. A Crimeia é e será parte integral da Ucrânia", afirmou Yatseniuk após uma reunião com chefes de Estado da União Europeia em Bruxelas.

O premiê afirmou ainda que a Ucrânia irá "responder" caso seu território seja invadido por forças estrangeiras. "O governo e o Exército ucranianos atuarão de acordo com a Constituição e a legislação. Estamos preparados para proteger o nosso país."

Yatseniuk disse que a Ucrânia "está disposta a negociar, mas não a se render para subordinados ou russos. A Rússia está relutante em negociar, nós não" e ressaltou que o governo ucraniano deseja assinar um acordo de associação com a UE "o quanto antes"./ AP e EFE

 
Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaRússiaArseni Yatseniuk

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.