Primeiro-ministro de Kadafi declara apoio aos rebeldes na Líbia

'Estamos do lado do povo e para servir a nova líbia', afirma al-Baghdadi Ali al-Mahmoudi

estadão.com.br

01 Setembro 2011 | 16h29

CAIRO - O primeiro-ministro do antigo regime da Líbia, al-Baghdadi Ali al-Mahmoudi, disse ao canal árabe Al-Arabiya nesta quinta-feira, 1º, que está do lado dos insurgentes que lutam contra o ditador Muamar Kadafi.

 

Veja também:

blog TWITTER: Leia e siga nossos enviados à região

forum OPINE: Onde se esconde Muamar Kadafi?

especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

 

Mahmoudi disse que ainda estava na Líbia e que conversava com o Conselho Nacional de transição, o órgão governamental dos rebeldes que está no controle do país. "Nós os notificamos de que estamos com o povo e prontos para servir nosso país no futuro", disse o premiê ao canal.

 

 

As declarações de Mahmoudi significam mais perda de apoio a Kadafi. Dezenas de ministros e diplomatas já abandonaram o antigo regime que, segundo o ditador, ainda está de pé, embora praticamente toda a Líbia e toda a infraestrutura esteja nas mãos da insurgência. O próprio paradeiro do coronel é desconhecido.

 

Depois da tomada de Trípoli por parte dos rebeldes, Kadafi não aparece em público. Apesar disso, o coronel divulgou nesta quinta uma mensagem chamando seus seguidores a defender a Líbia e manter a resistência contra a oposição. O ditador afirmou que eles não são covardes e que não vão se render.

 

As forças rebeldes, apoiadas pelos ataques aéreos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), vêm avançando na direção de três redutos do regime de Kadafi: Sirte, a cidade de Bani Walid - a 140 quilômetros a sudeste de Trípoli -, e Sabha, no deserto do sul.

 

Há rumores de que Kadafi estaria se escondendo numa dessas três cidades, que permanecem sob controle das forças do ditador. Os três locais deveriam se render até sábado, segundo o ultimato dado pela insurgência.

 

Com informações de Associated Press e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.