EFE/EPA/FRANCK ROBICHON
EFE/EPA/FRANCK ROBICHON

Primeiro-ministro do Japão propõe declarar estado de emergência por coronavírus

Governo japonês prevê pacote de US$ 1 trilhão para apoiar a economia

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2020 | 08h34

TÓQUIO - O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, afirmou nesta segunda-feira, 6, que planeja declarar estado de emergência no país em consequência do coronavírus e propôs um pacote de ajuda de um trilhão de dólares para combater os efeitos da pandemia sobre a economia.

"Esperamos declarar o estado de emergência a partir de amanhã (terça-feira) depois de ouvir a opinião do painel de especialistas", disse Abe à imprensa, antes de informar que o governo deve apresentar um pacote de 108 trilhões de ienes para auxiliar a terceira maior economia do planeta.

"Estamos vendo um rápido aumento de novas infecções, em particular em áreas urbanas como Tóquio e Osaka," afirmou Abe. Estas duas grandes cidades e outros cinco municípios estariam incluídos no estado de emergência, completou.

Apesar de ser vizinho de China, berço do novo coronavírus, o Japão foi muito menos afetado pela pandemia da covid-19 que a Europa ou Estados Unidos. O balanço mais recente do país registra 3.650 casos e 73 mortes.

Mas o número de contágios aumentos consideravelmente nas últimas duas semanas, principalmente em Tóquio, que registrou 148 novos casos  no domingo, um recorde local. 

Pressão

Os números aumentaram a pressão sobre o governo para intensificar a resposta à pandemia. Além disso, a governadora de Tóquio, Yuriko Koike, pediu no fim de semana à população que adote o 'home office' e evite as saídas não indispensáveis. "Até agora não recebemos nada oficial, mas nos preparamos, partindo do princípio de que Tóquio estará entre as regiões incluídas no estado de emergência", declarou Koike nesta segunda-feira.

O estado de emergência deve ser limitado a algumas regiões e não deve incluir medidas de confinamento tão drásticas como as que estão em vigor em muitos países. Concretamente, os governadores das regiões afetadas poderão "solicitar" aos moradores que permaneçam em suas casas e aos comércios não essenciais que suspendam suas atividades. 

As autoridades também poderão requisitar terrenos ou edifícios com fins médicos, mas não devem impor um confinamento obrigatório, com sanções em caso de descumprimento. O sistema seria baseado na disciplina cidadã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.