Primeiro-ministro do Líbano liga atentado à crise Síria

O primeiro-ministro do Líbano, Najib Mikati, ligou o atentado em Beirute à crise na Síria. A explosão da sexta-feira ocorreu no coração da área cristã em Beirute. O governo declarou este sábado como dia nacional de luto pelas vítimas, mas manifestantes saíram às ruas, queimando pneus e bloqueando estradas no país em protesto contra as mortes.

NALU FERNANDES, Agência Estado

20 de outubro de 2012 | 15h49

Mikati afirmou, neste sábado, que a explosão está ligada às recentes investigações que expuseram um suposto plano na Síria para deflagrar uma campanha de atentados e assassinatos para estabelecer caos no Líbano.

"Eu não quero prejudicar a investigação, mas o fato é que não podemos separar os crimes de ontem da revelação sobre explosões que poderiam ocorrer", citou Mikati, em uma entrevista coletiva, após reunião de emergência de seu gabinete.

Os dois países compartilham laços políticos e também sectários, o que, usualmente, faz com que os eventos em uma fronteira ecoem na outra. A oposição no Líbano é um bloco contrário à Síria, enquanto o primeiro-ministro e boa parte do governo são vistos como favoráveis ao país vizinho.

Mikati também citou que colocou seu cargo à disposição depois dos atentados da sexta-feira, mas o presidente Michel Suleiman pediu a ele para não gerar mais incerteza no país. Mikati está enfrentando pressões políticas profundas de seus oponentes depois do ataque. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Najib Mikatiárea cristã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.