AP
AP

Primeiro-ministro indiano declara vitória em eleições

Projeções dão larga vantagem ao Partido do Congresso, que deve formar novo governo; oposição assume derrota

Agências internacionais,

16 de maio de 2009 | 08h42

O primeiro-ministro indiano declarou vitória nas eleições nacionais indianas, dizendo que os eleitores deram ao Partido do Congresso um "mandato massivo". Segundo dados provisórios, o partido governista, presidido por Sonia Gandhi, conseguiu uma folgada vitória, que concedem à legenda um resultado muito superior a todas as previsões. De acordo com números divulgados pela Comissão Eleitoral por volta das 15h (6h30 de Brasília) em seu site, o Partido do Congresso liderava a apuração em 204 das 543 circunscrições, frente a 116 do opositor Bharatiya Janata Party (BJP).

 

Veja também: 

lista Entenda as eleições que levaram 714 milhões às urnas na Índia

 

Mais cedo, os líderes do principal partido da oposição, o BJP, e da Terceira Frente, a coalizão que inclui o Partido Comunista, admitiram a derrota. "Aceitamos este veredicto", disse um dos principais líderes do BJP, Arun Jaitley.  Com os resultados, poderá ser mais fácil para o Partido do Congresso formar um governo estável. Rajnath Singh, presidente do partido nacionalista hindu BJP (Bharatiya Janata Party), disse à imprensa que não esperava este resultado. "Vamos nos sentar hoje mais tarde, quando os resultados forem divulgados, e analisar o que ocorreu", disse ele.

 

"Alguma coisa certamente deu errado. Nosso desempenho não correspondeu às expectativas", disse Jaitley. Um pequeno grupo de eleitores se reuniu do lado de fora da sede do Partido do Congresso para comemorar, tocando tambores e cantando. Também houve comemorações em Mumbai e outras cidades.

 

O Partido do Congresso ainda terá que negociar com os outros a formação do governo, mas as perspectivas de um governo instável e enfraquecido na Índia parecem ter ficado para trás. Segundo o ministro do Turismo, Ambika Soni, está claro que a aliança liderada pelo Partido do Congresso terá um novo mandato de cinco anos à frente do governo.

 

Papel do presidente

 

A segurança foi reforçada em várias áreas depois do anúncio de que o Partido do Congresso tinha larga vantagem sobre os outros. As autoridades proibiram reuniões de cinco ou mais pessoas no Estado do Rajastão e suspenderam passeatas de vitória em Uttar Pradesh.

 

Depois da contagem, as atenções vão se voltar para a presidente, Pratibha Patil. A constituição não estabelece regras sobre quem a presidente deve convidar para formar o novo governo. Pode ser o maior partido ou a maior coalizão. Ela ainda pode pedir documentos provando o apoio aos partidos.

 

O comparecimento às eleições foi estimado em cerca de 60%, em comparação aos 58% de 2004. O esquema de segurança tem sido considerado um sucesso até agora, apesar de 60 pessoas terem sido mortas, a maioria, vítimas de confrontos violentos.

 

(Com BBC Brasil)

 

Tudo o que sabemos sobre:
Índiaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.