Primeiro-ministro interino do Iraque é confirmado no cargo

Deputados xiitas iraquianos escolheram Ibrahim al-Jaafari como novo primeiro-ministro do país, dando um importante passo para a formação do governo, quase dois meses depois das eleições. Como já é primeiro-ministro interino, a decisão dos xiitas permite que Jaafari continue no cargo.Jaafari, um médico que passou muitos anos no exílio, venceu por apenas um voto de diferença o vice-presidente Adil Abdul-Mahdi. Sua vitória foi atribuída ao apoio de uma facção radical antiamericana dentro da Aliança Unida Iraquiana, partido vencedor das eleições gerais iraquianas de 15 de dezembro.A escolha de Jaafari, de 53 anos, abre caminho para que a aliança comece a negociar com os partidos sunitas e curdos a formação de um governo de união nacional, o que é visto, especialmente pelos Estados Unidos, como uma forma de tentar aplacar a persistente rebelião iraquiana para possibilitar a saída dos exércitos estrangeiros presentes no Iraque.Com a escolha, Jaafari, que já é primeiro-ministro interino, tem praticamente garantida a permanência no cargo. A Constituição prevê que o futuro presidente do Iraque deverá escolher um primeiro-ministro do bloco político majoritário no Parlamento.LentidãoVista com surpresa por analistas, a decisão da Aliança Unida Iraquiana decepcionou possíveis parceiros de coalizão, especialmente curdos e sunitas, que se queixam da falta de ação do atual governo para impedir supostos abusos das forças de segurança contra grupos étnicos e religiosos minoritários.Numa entrevista coletiva concedida depois de vencer a votação, Jaafari anunciou apenas planos gerais, atitude que já lhe rendeu uma reputação de lentidão na tomada de decisões. "As prioridades do novo governo serão as mesmas: segurança, economia e reconstrução", afirmou ele.Enquanto isso, explosões e ataques armados resultaram na morte de três pessoas no Iraque neste domingo. Uma idosa e um funcionário do Ministério da Educação estão entre as vítimas da violência. Mais 22 pessoas ficaram feridas.Ao mesmo tempo, a polícia iraquiana anunciou ter encontrado cinco corpos com perfurações provocadas por tiros em partes distintas de Bagdá. No presídio de Abu Ghraib, um detento morreu depois de ser atacado por companheiros de cela. O episódio está sendo investigado pelo Exército dos EUA, que controla a prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.