Presidencia do Peru via EFE
Presidencia do Peru via EFE

Presidente peruano decide recompor gabinete após premiê ser denunciado por violência doméstica

Terceiro a ocupar o cargo em seis meses, Héctor Valer Pinto foi nomeado há apenas três dias

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2022 | 21h04

LIMA - O presidente do Peru, o esquerdista Pedro Castillo, anunciou esta sexta-feira, 4, que decidiu “recompor” o seu gabinete ministerial, o que implica a saída do novo primeiro-ministro, Héctor Valer Pinto, acusado de violência doméstica. "Tomei a decisão de recompor este gabinete ministerial", declarou Castillo em breve mensagem ao país na televisão, sem mencionar diretamente o primeiro-ministro.

Terceiro primeiro-ministro de Castillo em seis meses, Valer iniciou seu mandato sob acusação de ter espancado esposa e filha há alguns anos, uma polêmica que agravou a crise política local. Ele negou as acusações nesta quinta-feira, 4, em entrevista à rádio Santa Rosa. "Eu não estou mentindo para você, pelo amor de Deus, eu imploro", disse, embora não tenha conseguido explicar a existência de uma medida protetiva de 2017 em favor de sua esposa, por violência física,  e uma denúncia de espancamento feita por sua filha um ano antes.

Mais tarde, Héctor Valer despertou o fantasma sobre uma possível dissolução do Congresso, o que já aconteceu em outro governo em 2019, quando em entrevista coletiva disse que se os parlamentares não derem o voto de confiança à sua equipe ministerial, os parlamentares só terão mais uma chance de censurar um próximo gabinete e então correm o risco de serem dissolvidos pelo presidente.

"Eles terão perdido a primeira bala de prata no Congresso para que depois o presidente use a bala de ouro que é a dissolução do Congresso", disse o primeiro-ministro.

Valer também convidou os sindicatos de psicólogos peruanos a realizar publicamente um exame psicológico e descartar seu suposto caráter violento. "Eu não tenho medo", disse ele. "Eu não sou um abusador, não sou um que bate", disse ele.

Em 2017, a juíza Roxana Palacios ordenou medidas protetivas para Ana Montoya, esposa de Valer, e proibiu o atual primeiro-ministro de conduta que constitua “violência ou assédio” contra sua esposa “sob pena de ser denunciado pelo crime de resistência à autoridade”.

A juíza disse que havia "indicadores de abuso corporal" na esposa de Valer, a partir de um atestado médico legal que foi feito à mulher lesada em 22 de outubro de 2016, segundo a resolução judicial publicada pelo jornal El Comercio.

Na manhã de 22 de outubro de 2016, a filha do agora primeiro-ministro, Catherine Valer, denunciou seu pai por violência familiar em uma delegacia de polícia de Lima. A jovem, então com 29 anos, indicou na denúncia confirmada pela agência Associated Press que na noite anterior em sua casa seu pai lhe havia dado "tapas, socos, chutes no rosto e em diferentes partes do corpo e puxões de cabelo".

Gladys Pasos, vizinha de Valer e proprietária do apartamento que o primeiro-ministro alugou, disse à imprensa que vivia com "muito estresse" porque Valer "era muito conflituoso, travesso, mimado, fazia muitos escândalos com a esposa, a filha. "

Valer deixou aquela casa depois de morar nela por uma década e não pagou o aluguel nos últimos dois anos, disse Pasos. A esposa de Valer faleceu em 5 de outubro de 2021. /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.