AP
AP

Primeiro-ministro se prepara para formar novo governo na Índia

Presidente dissolveu Parlamento e aceitou a renúncia do gabinete do premiê após vitória da situação em eleição

Efe,

18 de maio de 2009 | 11h38

A presidente da Índia, Pratibha Patil, dissolveu o Parlamento e aceitou a renúncia em plenário do governo do premiê Manmohan Singh, após a vitória da situação nas eleições gerais. O gabinete deve liderar o país em caráter interino até a formação de um novo governo. O procedimento é comum em países parlamentaristas.

A coligação liderada pelo Partido do Congresso, que obteve 262 dos 543 cadeiras em disputa na Câmara Baixa - deve ir ao Palácio Presidencial "a partir de amanhã" para reivindicar sua maioria. A partir disso a presidente convidará esses partidos a formar governo.

 

A presidente deve receber o chefe da Comissão Eleitoral, Navin B. Chawla, para que lhe entregue os resultados das eleições, e caso nenhuma aliança se apresente para formar governo, Patil seria forçada a chamar para consultas as legendas mais votadas.

 

O vice-secretário de Presidência, Fayiz Ahmad Kidwai, confirmou à Efe que o primeiro-ministro, Manmohan Singh, e seu gabinete renunciaram e que o convite para formar um novo Governo acontecerá a partir de terça-feira.

 

"É protocolar que o primeiro-ministro do Governo renuncie após os resultados eleitorais", assegurou à agência indiana "Ians" um assessor de Singh.

 

Na terça-feira, o grupo parlamentar do Partido Congresso deve designar oficialmente Singh como líder, enquanto Sonia Gandhi terá a presidência do grupo.

 

O juramento do novo governo acontecerá em 20 ou 22 de maio, segundo uma fonte do escritório de Singh citada pela agência "Ians", que descartou 21 de maio por coincidir com o aniversário da morte do marido de Sonia, o ex-primeiro-ministro Rajiv Gandhi.

Tudo o que sabemos sobre:
Índiaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.