Reuters
Reuters

Primeiro-ministro sírio abandona o país e segue para a Jordânia

Síria diz que Riad Hiyab foi destituído do cargo, mas ele anunciou deserção

estadão.com.br,

06 de agosto de 2012 | 07h19

Texto atualizado às 11h28

DAMASCO - O primeiro-ministro da Síria, Riad Hijab, abandonou o país e seguiu para a Jordânia, nesta segunda-feira, 6.

Veja também:

linkRebeldes tentam tomar prédio de TV estatal na Síria

linkONU alerta que grande batalha por Alepo está 'prestes a começar'

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

A Síria anunciou que ele foi destituído do cargo e anunciou que o engenheiro Omar Galauanyi será o encarregado de dirigir o Governo de maneira provisória. No entanto, a Jordânia informou que o primeiro-ministro desertou com a família. 

 

Além disso, em nome de Riad Hijab, um porta-voz declarou na televisão Al Jazeera que o primeiro-ministro havia desertado do governo do presidente Bashar al-Assad e unido-se à oposição. "Eu anuncio hoje minha deserção do regime terrorista e assassino e anuncio que me uno à revolução pela liberdade e dignidade. Anuncio que a partir de hoje sou um soldado nesta revolução abençoada", disse Hijab, por meio de declaração lida pelo porta-voz.

Hijab foi ministro da Agricultura e assumiu o cargo de primeiro-ministro no dia 26 de junho na terceira remodelação do Executivo sírio desde que explodiu a rebelião contra o regime de Bashar al Assad em março de 2011.

A fuga do premiê foi uma das deserções de maior visibilidade do círculo político e militar do presidente Bashar al-Assad. No domingo, a televisão Al Arabiya relatou que um alto oficial da inteligência síria também havia desertado para a Jordânia.

Hijab, um muçulmano sunita da província de Deir al Zor, pertencia ao aparato do partido da situação, o Baath.

 

Outros dois ministros e três oficiais do exército também desertaram para a Jordânia, juntamente com o primeiro-ministro.

O conflito que assola a Síria há 17 meses transformou-se em guerra civil e já matou 19 mil pessoas, segundo o grupo opositor Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Com agências de notícias

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.