Primeiro-ministro tailandês propõe conselho de reforma

O primeiro-ministro da Tailândia, Yingluck Shinawatra, propôs nesta quarta-feira a formar de um conselho de reforma para acalmar um movimento de protestos que procuram derrubar o governo nas últimas semanas. Contudo, os manifestantes já se demonstraram contra a proposta.

AE, Agência Estado

25 de dezembro de 2013 | 08h20

O anúncio feito por Yingluck permitiu uma retratação com os inimigos, que prometem intensificar uma desobediência civil para perturbar as eleições marcadas o dia 2 de fevereiro de 2014. Segundo o primeiro-ministro, o conselho não seria um órgão de governo e os 499 membros seriam nomeados por uma comissão independente, como o comandante das forças armadas, empresas, líderes acadêmicos e economistas.

A comissão seria encarregada por combater a corrupção e garantir uma ampla reforma eleitoral, além de criar emendas para a constituição.

Akant Promphan, porta-voz dos manifestantes, disse qualquer proposta de Yingluck para permanecer no poder ou realizar as eleições será inaceitável. Promphan ressaltou que, mesmo com um conselho, haveria influências do governo. "É certo que ele vai interferir no conselho proposto", disse.

Nos últimos anos, a Tailândia tem convivido com diversos conflitos políticos. Em 2006, o irmão de Yingluck, o ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, foi derrubado do poder por um golpe militar. Os manifestantes acusam o atual primeiro-ministro de seguir os passos de Thaksin e aumentar a corrupção no país. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
TailândiaProtestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.