Abedin Taherkenareh/Efe
Abedin Taherkenareh/Efe

Primeiro-ministro turco diz que Irã não produzirá armas atômicas

Erdogan pediu ao mundo que também questione o programa de armas nucleares de Israel

Efe,

30 Março 2012 | 15h37

ANCARA - O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, expressou nesta sexta-feira, 30, ao voltar do Irã que as autoridades deste país garantiram que seu programa nuclear não é destinado à produção de armas.

 

Veja também:

linkVISÃO GLOBAL: O falso debate sobre um ataque ao Irã

linkEUA: Tempo para Irã resolver questão nuclear se esgota

Erdogan pediu ao mundo que também questione o programa de armas nucleares de Israel, informou a agência turca "Anadolu".

O primeiro-ministro chegou na madrugada desta sexta-feira a Ancara e resumiu diante da imprensa os resultados de sua viagem ao Irã, após sua participação na Cúpula de Segurança Nuclear, realizada nesta semana em Seul, na Coreia do Sul.

Erdogan afirmou que havia explicado claramente ao presidente americano, Barack Obama, que o Líder Supremo do Irã, Ali Khamenei, garantiu que sua religião não permite a fabricação de armas de destruição em massa.

"Khamenei disse que a sharia (lei corânica) não permite o uso de armas de destruição em massa; disse que não há lugar para isso em sua religião. Após essa afirmação, eu não posso acreditar que o Irã esteja desenvolvendo armas nucleares", acrescentou.

"De novo compartilhamos nossas ideias de forma sincera com a parte iraniana e continuaremos trabalhando para encontrar uma solução diplomática a esse problema", disse o político turco.

"O presidente (Mahmoud Ahmadinejad) disse o mesmo. Por que eles não têm direito a manter um programa nuclear com fins pacíficos?" questionou o primeiro-ministro.

"Nosso desejo é que o mundo se comporte de maneira justa. Neste momento, a situação de Israel é óbvia. Tem tantas ogivas nucleares e ninguém diz nada. O Ocidente deveria questioná-lo sobre isso também", finalizou Erdogan.  

Mais conteúdo sobre:
Irã nuclear Turquia Erdogan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.