Primeiro-ministro ucraniano rejeita ultimato presidencial

O primeiro-ministro ucraniano, Viktor Yanukovich, disse neste sábado, 31, que o governo e a coalizão governante que ele lidera "não aceitará o ultimato da oposição".A resposta à ameaça de dissolver o Parlamento feita neste sábado pelo presidente da Ucrânia, Viktor Yushchenko, foi dada por Yanukovich em um grande ato de seus partidários, reunidos na capital Kiev, e que contou - segundo os organizadores - com a presença de 100 mil pessoas."Não admitiremos ultimato algum do presidente e da oposição, que estão fora do espaço legal e constitucional", disse o primeiro-ministro ucraniano.Segundo Yanukovich, "se o presidente professar os princípios da democracia, deverá conhecer os princípios de seu funcionamento e respeitar a escolha do povo ucraniano, independente de suas simpatias".Yushchenko ameaçou neste sábado dissolver o Parlamento, como reivindica a oposição, se a maioria parlamentar do bloco governante não parar de engrossar suas fileiras com deputados desertores de seu partido e de outras forças opositoras."Se a maioria (parlamentar) não voltar a agir de acordo com os princípios constitucionais, assinarei o decreto sobre a dissolução do Parlamento", advertiu o presidente, ao discursar no Congresso de seu partido, o Nossa Ucrânia.Pouco antes, o presidente reiterou que considera "ilegítimo" o processo de formação de maioria constitucional iniciado pelo bloco governante Partido das Regiões, que há pouco tempo incluiu em suas fileiras 21 deputados que "desertara" dos partidos opositores Pró-presidenciais.Também pediu para redigir e aprovar uma nova versão da lei sobre a formação do governo, de acordo com suas sugestões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.