AFP PHOTO / YAMIL LAGE
AFP PHOTO / YAMIL LAGE

Primeiro voo comercial dos EUA para Havana chega em dia de homenagens a Fidel

Capital cubana ainda não havia recebido nenhum avião comercial americano desde que os dois países decidiram reiniciar os voos diários

O Estado de S. Paulo

28 de novembro de 2016 | 18h03

HAVANA - Chegou em Havana nesta segunda-feira, 28, o primeiro voo regular a partir dos Estados Unidos em mais de 50 anos, que ocorre dias depois da morte do líder da Revolução Cubana, Fidel Castro. Desde agosto, as companhias aéreas americanas realizam voos para Cuba, mas a capital ainda estava fora dos limites.

A aeronave da American Airlines (AA) decolou às 07h30 local (10H30 de Brasília) do Aeroporto Internacional de Miami, num novo marco na história da aviação entre os dois países.

Os passageiros, que não tinham ideia quando reservaram o voo que sua viagem coincidiria com o funeral de Fidel Castro, morto na sexta-feira 25 aos 90 anos, foram recebidos com guloseimas e chapéus de palha. "É a experiência de uma vez na vida", declarou a passageira americana Priva Rhat a repórteres. "Será interessante ver como as pessoas vão reagir a sua morte."

Até agora, a companhia AA servia Camagüey, Cienfuegos, Holguín, Santa Clara e Varadero. Somando Havana, agora passa a operar 13 voos diários entre Cuba e os EUA. Com a nova opção de trajeto, "nos tornamos a primeira companhia aérea americana a oferecer um serviço regular à capital cubana em mais de 50 anos", disse à AFP Martha Pantin, porta-voz da AA.

A partir de quarta-feira, a companhia aérea terá quatro voos diários desde Miami para Havana e outro a partir de Charlotte, na Carolina do Norte. 

Companhias. Quase duas horas depois, a JetBlue também enviou seu primeiro voo de Nova York para Havana. Esse voo agora será feito diariamente. O mesmo farão as companhias Spirit, Frontier, Delta e Southwest, até completar 110 voos diários, 20 deles para Havana.

A JetBlue foi a companhia aérea que inaugurou em 31 de agosto o primeiro voo comercial dos EUA para Cuba desde 1961. Partiu de Fort Lauderdale, ao norte de Miami, na Flórida, e aterrissou em Santa Clara, no centro da ilha.

Terça-feira começarão a decolar os voos diários da JetBlue partindo de Orlando, na Flórida, e em 30 de novembro partirão dois voos diários, exceto aos sábados, a partir de Fort Lauderdale a Havana.

"Nosso histórico primeiro voo (de 31 de agosto) começou uma nova era no transporte em Cuba, e mais uma vez a JetBlue fará história", declarou Robin Hayes, presidente da empresa, em um comunicado.

A inauguração de voos para Havana ocorre em momentos muito sensíveis, na ilha e entre a comunidade cubano-americana no exílio, depois da morte de Fidel. Enquanto Cuba decretou nove dias de luto, os cubanos em Miami não pararam de celebrar desde o anúncio da morte do líder.

Diplomacia. EUA e Cuba retomaram os laços diplomáticos em 2015 e concordam em fevereiro deste ano a reiniciar os voos diários entre os dois países. Desde 1979, os dois países eram ligados por voos fretados por agências de viagens, que supriam a demanda, opções sempre mais caras. Até agosto, havia apenas trinta voos fretados diários, custando em média US$ 500 ou mais.

Os novos voos serão não apenas mais frequentes, como também vão custar entre US$ 100 e US$ 200. O embargo de Washington ainda proíbe o turismo em Cuba, mas os americanos podem viajar dentro de outras 12 categorias. A mais comumente utilizada é a de intercâmbio cultural ou educacional. /AFP

Tudo o que sabemos sobre:
CubaHavana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.