Primeiros-ministros de China e Índia terão linha direta de comunicação

Proposta já havia sido feita pelos governos durante cúpula do Bric em 2009

08 de abril de 2010 | 12h59

PEQEUIM - Os Governos da China e da Índia vão estabelecer uma linha direta de comunicação entre os primeiros-ministros dos dois países, o chinês Wen Jiabao e o indiano Manmohan Singh, para consultas sobre temas bilaterais, informou a imprensa oficial chinesa.

 

A decisão foi tomada após a reunião em Pequim dos dois ministros de Assuntos Exteriores, o indiano Somanahalli Mallaiah Krishna e o chinês Yang Jiechi, e já tinha sido proposta pelos líderes dos Governos na primeira cúpula do Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), realizada em 2009 em Ekaterimburgo (Rússia).

 

Será a primeira linha deste tipo que a Índia terá com outro país.

 

O anúncio acontece na mesma semana em que a China foi acusada de realizar ataques contra computadores do Ministério da Defesa indiano e exilados tibetanos, o que criou tensões entre os dois países, embora Pequim tenha negado participação.

 

As relações entre China e a Índia foram tensas durante décadas, devido a disputas fronteiriças ainda não resolvidas (que inclusive suscitaram uma breve guerra entre ambos em 1962) e ao fato de o Dalai Lama estar refugiado em território indiano desde 1959. Entretanto, nos últimos anos houve grandes esforços para melhorar os laços.

 

A abertura ao comércio bilateral e de uma passagem da fronteira entre os países, em 2006, foram bons exemplos dessa aproximação, e a presença de ambos no Bric também ajuda a acelerar o processo de reconciliação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.