Primo de Jean Charles pode ter tido celular grampeado

Detetives disseram que um primo do brasileiro Jean Charles de Menezes, morto a tiros no metrô de Londres, em 2005, tinha seu número de telefone registrado entre os documentos do investigador privado do tabloide News of the World, no centro do escândalo de grampos que acabou com o jornal. A informação foi divulgada hoje pelo Guardian em seu site.

EQUIPE AE, Agência Estado

14 de julho de 2011 | 11h06

O Guardian afirmou que parentes e partidários de Jean Charles temem que o caso do brasileiro também tenha sido alvo do investigador Glenn Mulcaire. Segundo o jornal, uma porta-voz da campanha Justice4Jean disse que havia sido informada de que a lista de telefones de Mulcaire incluía o número de Alex Pereira, primo de Jean Charles.

A porta-voz informou que a família Menezes lamentou ter sido vítima de grampos ilegais em um momento de vulnerabilidade. Também questionou o fato de a polícia não ter informado sobre o aparente grampo antes, e ainda disse que a família teme que a polícia pudesse estar tentando encobrir mais algum erro no caso.

Jean Charles foi morto em uma estação do metrô em 22 de julho de 2005 pela polícia londrina, após ser confundido com um suposto terrorista, durante as investigações dos atentados de 7 de julho daquele ano na capital da Grã-Bretanha.

A família do mineiro escreveu ao primeiro-ministro David Cameron, pedindo que as investigações dos grampos busquem determinar se a Scotland Yard vazou informações no caso, seja para obter dinheiro ou para salvar a reputação da polícia londrina.

O News of the World circulou pela última vez no domingo, após 168 anos, depois de surgirem mais denúncias sobre grampos, inclusive de uma jovem de 13 anos sequestrada e posteriormente assassinada. A News Corp, de Rupert Murdoch, era a proprietária do tabloide. Na semana que vem, será lembrado o sexto ano da morte de Jean Charles.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.