Princesa Diana temia um complô, revela jornal inglês

A princesa Diana escreveu, meses antes de sua morte, que temia que alguém estivesse planejando causar-lhe mal através de um acidente da carro forjado, segundo noticia publicada hoje no tablóide inglês especializado em fofocas reais, o Daily Mirror.Um livro que está para ser lançado pelo ex-mordomo de Diana, Paul Burrel, conta que a princesa escreveu que ?esta fase particular da minha vida é a mais perigosa?. Ela dizia, nessa carta a Burrel, que alguém ?planeja um acidente em meu carro, com falha no breque e ferimentos sérios na cabeça como forma de deixar o caminho livre para Charles casar-se?.Segundo o jornal, Diana deu nome à pessoa que imaginava estar planejando um complô contra ela, mas não irá revelá-lo para evitar ações na Justiça. Na reprodução fotográfica da carta, o nome está riscado.Diana morreu em agosto de 1997, num acidente de carro em Paris, que também matou seu namorado, Dodi Fayed e o motorista, Henri Paul. Um juiz francês decidiu que o consumo de álcool e drogas por Paul e o excesso de velocidade causaram o acidente.As nova revelações fazem parte do livro A Royal Duty, de Burrel, a quem Diana chamava ?minha rocha?. Ele foi acusado de roubar alguns pertences da princesa, mas livrou-se do processo, no ano passado, depois que a rainha Elizabeth II declarou que ele lhe contara que retirara esses itens por segurança.O ex-mordomo revelou para o jornal que Diana fez essas declarações numa carta que escreveu em outubro de 1996, num envelope selado endereçado a ?Paul?. Ela dizia: ?irei datar isto e quero que você o mantenha... apenas para o caso (de ser necessário)?. Segundo Burrel, Diana achava que era encarada como um aborrecimento ? a carta implica mas não cita claramente a família real ? depois que ela e o príncipe Charles divorciaram-se em 1996.?Ela certamente sentia que o ?sistema? não gostava de seu trabalho e que, enquanto ela estivesse em cena, o príncipe Charles não poderia fazer nada?, disse ele.Burrel disse também ao jornal que por muito tempo não soube o que fazer com a carta.?Essa carta tem sido parte do peso que venho carregando desde a morte da princesa?, afirmou. ?Saber o que fazer com ela foi parte de uma longa procura espiritual.? Agora espera que ela possa ajudar numa investigação britânica sobre a morte de Diana, que foi objeto apenas de inquérito francês e nunca examinada oficialmente na Inglaterra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.