Jorge Cabrera/Reuters
Jorge Cabrera/Reuters

Princesa Mako viaja ao Brasil para encontro com descendentes de imigrantes japoneses

Durante duas semanas, ela percorrerá 14 cidades em 5 Estados, onde participará de eventos para celebrar os 110 anos da imigração japonesa no País

O Estado de S.Paulo

17 Julho 2018 | 05h51

TÓQUIO - A princesa Mako do Japão, neta mais velha do imperador Akihito, embarcou nesta terça-feira, 17, para o Brasil, onde ficará duas semanas. Ela participará de eventos comemorativos do 110.º aniversário da chegada dos primeiros imigrantes japoneses ao País.

+ Princesa Mako do Japão anuncia visita ao Brasil no próximo mês

+ Imperador japonês Akihito cancela compromissos em razão de isquemia cerebral

A princesa, de 26 anos, deixou o Aeroporto Internacional de Tóquio e a previsão é que ela desembarque na quarta-feira no Rio de Janeiro, em sua quarta viagem ao exterior, a primeira para o Brasil.

+ Para se casar com plebeu, princesa do Japão deixa família real

+ Casamento de neta do imperador com plebeu provoca debate sobre crise de sucessão no Japão

Mako percorrerá 14 cidades em 5 Estados, onde participará de vários atos e se reunirá com descendentes de japoneses no País. Ela retorna ao Japão no dia 31.

Ao chegar no Brasil, a princesa deve fazer uma visita de cortesia ao presidente Michel Temer, além de conhecer a estátua do Cristo Redentor. Na quinta-feira, seguirá para o Paraná.

No dia seguinte, a princesa Mako fará um discurso na cidade de Maringá e no sábado, participará como mestre de cerimônias em um evento comemorativo em São Paulo, que abriga a maior comunidade japonesa do País.

Em sua viagem de duas semanas ao Brasil, ela também deve visitar outros locais com grande presença de brasileiros descendentes de japoneses, como Manaus e Tomé-Açu.

O Brasil é o país que abriga a maior comunidade japonesa do mundo fora do Japão, com cerca de 1,9 milhão de pessoas.

A última visita feita por um membro da família real japonesa ao Brasil foi a do príncipe herdeiro Naruhito, que em março participou do Fórum Mundial da Água, em Brasília. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.