Principal meta de liberais deve ser mudar o sistema eleitoral

Em caso de Parlamento dividido, partido antes enfraquecido poderá escolher com quem formar coalizão

Talita Eredia, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2010 | 00h00

Prejudicados pela tendência ao bipartidarismo, os liberais britânicos conseguiram aumentar seu espaço político com os primeiros debates televisionados. Terceiros colocados nas últimas eleições e enfraquecidos, eles roubaram a cena com a imagem de mudança representada por Nick Clegg e podem ter a chance de escolher com quem formar a coalizão no próximo governo. A principal mudança que buscam, porém, é a reforma do sistema eleitoral.

Os liberais aproveitaram a insatisfação dos britânicos para mostrar que são diferentes de trabalhistas e conservadores. "Entramos num período de grandes mudanças. O eleitorado britânico não é fiel a um determinado partido e não precisa de muitos motivos para mudar o voto. Clegg tem boa aparência, fala bem, disse coisas que eles gostaram. Essas não são razões fortes o suficiente para mudar o voto, mas muita gente mudou", aponta Steven Fielding, diretor do Centro de Política Britânica da Universidade de Nottingham.

"O interesse nos liberais não é motivado por suas propostas políticas. Eles parecem novos, mas não são tão diferentes dos outros partidos. Existe o risco de as pessoas perceberem e isso pode afetar a votação", afirma Chris Bickerton, especialista em Relações Internacionais da Universidade Oxford.

Os liberais são pró-União Europeia e defenderam a integração do país com a zona do euro, opção amplamente criticada pelos que são favoráveis à independência financeira britânica do bloco.

Bickerton lembra a possibilidade de os liberais recusarem uma coalizão com os trabalhistas se o primeiro-ministro, Gordon Brown, permanecer no poder. "É muito difícil dizer que você representa alguma mudança se, na prática, governa com os mesmos líderes que estavam no poder. Eles podem forçar uma mudança na liderança dos trabalhistas e Brown pode sair mais cedo do que espera", diz Bickerton.

Mudanças. Fielding acredita que o Partido Liberal só manterá a força política que conquistou se a legenda conseguir a mudança do sistema político britânico. "Se os liberais formarem uma coalizão e conseguirem mudar o sistema eleitoral, então teremos um sistema multipartidário e espaço para uma terceira força política no país. Do contrário, essa força será apenas temporária", afirma Fielding.

PARA LEMBRAR

Escândalo afetou imagem de trabalhistas

Em junho do ano passado, a imagem do Partido Trabalhista - no poder desde 1997 - foi seriamente prejudicada por um escândalo envolvendo gastos excessivos de parlamentares que usaram dinheiro público para cobrir despesas "incomuns", como ração de cachorro, esterco de cavalo e filmes pornográficos.

Entre as denúncias estavam a de parlamentares que usaram auxílio-moradia para reformar a própria casa, pagar prestações de imóveis e cobrir gastos com jardineiro. Apesar de as denúncias terem prejudicado todos os partidos, os trabalhistas foram os que mais tiveram a reputação manchada. O incidente obrigou o primeiro-ministro Gordon Brown a pedir desculpas públicas em nome dos políticos britânicos. O escândalo também forçou a saída de cinco ministros do gabinete de Brown.

P

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.