Príncipe Charles visitará o Brasil em março

O príncipe Charles, herdeiro do trono britânico, fará visita oficial à capital brasileira nos dias 4 e 5 de março, informou nesta segunda-feira a Embaixada da Grã-Bretanha em Brasília. Esta será a terceira viagem dele ao Brasil, que veio ao País pela primeira vez no Carnaval de 1978. Ele retornou, depois, em 1991, acompanhado da princesa Diana para uma excursão à Amazônia. Além do Brasil, Charles também visitará o México. Investigação A polícia britânica vai investigar as atividades de um dos filhos de Charles, o príncipe Harry, de 17 anos, que, segundo revelou o jornal News of the World, fumou maconha e tomou bebidas alcoólicas em várias ocasiões. "Ele será tratado como qualquer jovem nessa idade", disse Mandy Evely, superintendente da Polícia de Wiltshire. As leis antidrogas britânicas são tidas como as mais severas de toda a Europa. Segundo o tablóide The Sun, a rainha Elizabeth II, avó do príncipe, reagiu "com grande fúria" quando ficou sabendo do fato - poucas horas antes da publicação pela imprensa londrina. "A rainha teme que o escândalo comprometa seriamente a festa dos 50 anos de seu reinado", destacou o jornal, citando fonte do Palácio de Buckingham. Harry é o terceiro na linha de sucessão ao trono, depois de seu pai, o príncipe Charles, e de seu irmão, William. Harry admitiu ter fumado maconha e ingerido bebidas alcóolicas durante as férias escolares do verão passado, quando tinha 16 anos. Na época, ele ficou sozinho na residência da família em Highgrove - Charles e William estavam viajando - e passou a freqüentar "festinhas" no pub Rattlebone Inn. A superintendente da polícia, Mandy Evely, ressaltou que vai investigar o "dossiê completo" sobre as "saídas do príncipe" que um jornal diz ter. "Vamos apurar e, se houver alguma evidência, agiremos, claro. Queremos parar com o envolvimento dos jovens com drogas e alcool." A família assegura que nunca desconfiou de nada, embora o príncipe tenha várias vezes aparecido em "más condições" - vomitando e se comportando de maneira estranha. "Todo mundo na região de Highrove sabia das ´festinhas´ de Harry no Rattlebone", comentou o tablóide, acrescentando: "Ele freqüentou o pub até ser proibido de entrar ali por ter insultado o cozinheiro." Nada disso, no entanto, chegou aos ouvidos de Charles, que só recentemente tomou conhecimento, quando empregados da residência de Highgrove lhe contaram que sentiram "cheiro doce de maconha". Numa decisão apoiada pela rainha e pelo primeiro-ministro, Tony Blair, Charles fez Harry visitar por um dia numa clínica para drogados da zona sul de Londres. Charles isentou os guarda-costas de culpa no caso. "A função deles é dar proteção, não aulas de moral." Nesta segunda-feira, Harry voltou às aulas na elistista escola de Eton, onde será submetido a freqüentes exames de urina. Com resultado positivo, corre o risco de ser expulso.

Agencia Estado,

14 Janeiro 2002 | 20h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.