Kirsty Wigglesworth/AP
Kirsty Wigglesworth/AP

Príncipe Harry e Meghan abandonam deveres e deixam oficialmente a família real

Casal comunicou à rainha Elizabeth que não será mais membro ativo da monarquia

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2021 | 17h24

LONDRES - O príncipe Harry e sua mulher, Meghan Markle, completaram sua cisão da família real britânica nesta sexta-feira, 19, após informarem à rainha Elizabeth II que não serão mais membros ativos da monarquia, informou o Palácio de Buckingham. 

Com a decisão, o príncipe Harry foi destituído de seus títulos militares honorários e nomeações, informou a Casa Real, consolidando a profunda divisão que se abriu entre o príncipe e a família quando ele e sua mulher, Meghan, anunciaram que queriam se afastar de suas funções oficiais.

Meghan também desistirá de suas nomeações, disse o palácio em um comunicado, acrescentando que a rainha Elizabeth dividirá os títulos e nomeações entre outros membros da família. A decisão foi anunciada após conversas entre Harry, que agora mora na Califórnia, e sua avó, a rainha.

“Ao se afastar do trabalho da família real”, disse o palácio sobre Harry e Meghan, “não é possível continuar com as responsabilidades e deveres que vêm com uma vida de serviço público”.

"Embora todos estejam tristes com a decisão deles, o duque e a duquesa continuam sendo membros muito amados da família", diz o comunicado.

Por meio de um porta-voz, Harry e Meghan disseram que continuarão comprometidos com o serviço. "Todos nós podemos viver uma vida de serviço. O serviço é universal", disse o porta-voz. "O duque e a duquesa de Sussex continuam comprometidos com seus deveres e serviços ao Reino Unido e ao redor do mundo, e têm oferecido seu apoio contínuo às organizações que representam, independentemente de seu papel oficial."

Sob um acordo negociado pela rainha no ano passado, o casal se livrou dos deveres reais, mas teve de concordar em não usar a palavra "real" em sua marca. A rainha permitiu que o casal mantivesse os títulos de duque e duquesa de Sussex, um de seus últimos privilégios reais.

O acordo, que foi firmado em janeiro de 2020 na propriedade da rainha, permitia uma revisão depois de um ano - uma cláusula que alguns membros da família esperavam que permitisse ao casal repensar sua decisão de partir, de acordo com pessoas ligadas ao Palácio.

Para Harry, desistir de seus títulos militares será doloroso, disseram pessoas próximas da família real. Ele serviu como piloto de helicóptero no Afeganistão e reverencia seus laços com os militares. Mas a rainha nunca demonstrou intenção de aceitar o acordo "meio dentro, meio fora" que Harry e Meghan propuseram no ano passado.

A decisão do casal de deixar a família real e buscar uma nova vida do outro lado do Atlântico foi um dos maiores acontecimentos reais em décadas.

Harry e Meghan pretendem quebrar o silêncio sobre a separação com a família real em uma entrevista com Oprah Winfrey, que será feita no próximo mês.

No domingo, eles anunciaram que estavam esperando seu segundo filho. Foi uma boa notícia para o casal após Meghan ter sofrido um aborto espontâneo em julho passado, sobre o qual ela escreveu para o jornal The New York Times. / REUTERS e NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.