Cliff Owen / AP
Cliff Owen / AP

Príncipe herdeiro saudita aprovou campanha secreta para silenciar dissidentes, diz jornal

Segundo o ‘NYT’, estratégia incluiu vigilância, sequestro, detenção e tortura de sauditas, e algumas missões clandestinas foram executadas por membros da equipe que matou o jornalista Jamal Khashoggi

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2019 | 07h11

WASHINGTON - Mais de um ano antes do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed bin Salman, aprovou uma campanha secreta para silenciar os dissidentes, informou neste domingo, 17, o jornal New York Times.

A campanha incluiu vigilância, sequestro, detenção e tortura de sauditas, indica o NYT, que cita fontes americanas que tiveram acesso a relatórios confidenciais de inteligência.

Os funcionários afirmaram que o monarca criou um Grupo de Intervenção Rápida para alcançar o objetivo, segundo o jornal.

Algumas missões clandestinas foram executadas por integrantes da equipe que matou e esquartejou Khashoggi em outubro de 2018 no consulado da Arábia Saudita em Istambul, o que sugere que seu assassinato foi parte de uma campanha mais ampla contra dissidentes, destaca o NYT, que também cita parentes das vítimas sauditas.

O assassinato de Khashoggi, que foi colunista do jornal Washington Post, desencadeou uma onda de protestos pelo mundo, incluindo uma declaração do Senado dos Estados Unidos que pedia ao presidente Donald Trump que identificasse e punisse os responsáveis.

Os legisladores, que receberam relatórios dos diretores das agências de inteligência americanas, afirmaram estar convencidos de que o príncipe Bin Salman seria o responsável pelo assassinato de Khashoggi. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.