Príncipe irá às festas reais sem a mulher. Japão preocupado

O principe herdeiro do Japão, Naruhito, expressou hoje seu desapontamento porque sua mulher, a princesa Masako, não está em condições de acompanhá-los aos casamentos reais na Dinamarca e Espanha, este mês. Segundo ele, o processo de recuperação de Masako de um caso de exaustão será mais longo que o esperado inicialmente.?Espero de coração de que ela possa mais tarde juntar-se a mim?, disse Naruhito aos jornalistas, em sua residência, o opulento Palácio Togu, antes da partida, quarta-feira, para uma visita de duas semanas a Dinamarca, Portugal e Espanha.Na Dinamarca, ele participará da cerimônia de casamento do príncipe herdeiro Frederik com Mary Donaldson, uma consultora de marketing australiana, dia 14. Depois de permanecer alguns dias em Portugal, onde fará de um tour turístico e se encontrará com o presidente, Naruhito assistirá o casamento, em Madri, do príncipe herdeiro Felipe com Latizia Ortiz, ex-âncora de um noticiário do canal estatal de TV espanhola.A entrevista à imprensa foi breve ? permitiram-se apenas quatro perguntas e todas, à exceção de uma, sofreram triagem antecipada do palácio. E também rara ? Naruhito, de 44 anos, concede apenas um par de entrevistas por ano, normalmente antes de seu aniversário e viagens ao exterior.Mas a atenção estava obviamente focada em sua mulher ausente. A preocupação com o estado de saúde de Masako aprofundou-se quando fontes oficiais confirmaram, recentemente, que ela não acompanharia o marido na viagem.Masako, de 40 anos, passou a abster-se de obrigações oficiais desde dezembro, dizendo que estava exausta e precisava tempo para recuperar-se.Pouco depois, ela deixou Tóquio para ficar com sua mãe na casa de férias da família, num resort retirado na montanha. Masako retornou o mês passado, mas não retomou suas obrigações e continua a evitar aparições em público.A princesa, que foi educada em Harvard e Oxford, desistiu de uma carreira diplomática de 11 anos para casar-se com Naruhito. Na época, quando a princesa britânica Diana empolgava multidões no mundo todo, muitos japoneses alimentaram a esperança de que Masako trouxesse algum brilho à circunspecta e sossegada família imperial. Mas, ao invés disso, ela resolveu adotar um estilo discreto.Naruhito admitiu que a mulher sente a pressão de tentar, nos últimos 10 anos, adaptar-se à vida restrita e cheia de tradições da família real mais antiga do mundo.?Acho que isto a exauriu?, ele disse.Mas acredita-se que os problemas de Masako se originem principalmente da pressão para ter um filho homem. Sob as leis japonesas, apenas os homens podem assumir o trono e não há herdeiros na geração após Naruhito.Embora a tradição dificilmente seja posta de lado no antigo palácio real japonês, está aumentando o apoio para que a lei seja mudada para permitir que a filha de dois anos do casal, princesa Aiko, possa seguir os passos do pai.Os proponentes da mudança lembram que o Japão já foi governado por imperatrizes ? embora não nos últimos 1.700 anos. Naruhito, entretanto, recusou-se a comentar, hoje, se acredita que isso possa ser feito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.