Príncipe vai liderar 'diálogo entre as partes' no Bahrein

Ele terá poderes para 'atender às apsirações de todos os cidadãos', segundo comunicado oficial

estadão.com.br

18 de fevereiro de 2011 | 17h39

MANAMA - Em comunicado oficial, o rei do Bahrein, Hamad bin Issa Al Khalifa, pediu ao príncipe da Coroa que inicia um diálogo nacional "com todas as partes" para resolver a crise política pela qual o pequeno reino do Oriente Médio passa desde o início da semana, quando a minoria xiita foi às ruas exigir uma sociedade mais igualitária.

 

Veja também:

especial Infográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos

blog Radar Global: Protestos no mundo islâmico

 

O príncipe Salman bin Hamad al-Khalifa recebeu "todos os poderes para atender às aspirações de todos os cidadãos de todos os setores", diz o comunicado divulgado pela administração.

 

Mais cedo, o príncipe Salman, atual vice-comandante das Forças Armadas do Bahrein, foi à televisão estatal apelar pelo fim da violência. Ele disse que Exército deixaria as ruas se os manifestantes se retirassem para que fosse iniciado um "diálogo". "Eu estou apelando por calma, deem tempo para nós pensarmos", disse o príncipe.

 

Os protestos no Bahrein tiveram início no começo da semana, estimulados pelas revoltas populares do Egito e da Tunísia, onde ditaduras que já duravam décadas foram derrubadas. No reino, a maioria da população - cerca de 70% - é xiita, mas o governo do rei é sunita.

 

Nesta sexta, houve repressão violenta às manifestações, que iniciaram a partir de funerais de jovens mortos nos dias anteriores. Os militares dispararam e deixaram dezenas de feridos - 66, segundo uma fonte médica. Há relatos de que mais manifestantes teriam morrido nesta sexta. Durante a semana, sete morreram.

 

Com Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.