Hannah McKay/Reuters
Hannah McKay/Reuters

Príncipe William responsabiliza entrevista da BBC pelo divórcio de Diana e Charles

Investigação indica que famosa entrevista na qual Lady Di falou que havia três pessoas no casamento com Charles foi obtida por meio de documentos falsificados

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2021 | 21h34

LONDRES - O príncipe William, segundo na linha de sucessão do trono britânico, acusou nesta quinta-feira, 20, a rede de TV pública BBC de envenenar o relacionamento de sua mãe, a princesa Diana, com o príncipe Charles, depois de uma investigação independente descobrir que a famosa entrevista na qual Lady Di deu detalhes de seus problemas conjugais foi obtida com meios antiéticos.  O tom duro do comunicado surpreendeu a imprensa britânica. O irmão de William, Harry, também criticou o canal. 

“Acredito que a maneira enganosa com a qual essa entrevista foi negociada influenciou de maneira decisiva o que foi dito por minha mãe”, disse William em nota. “A entrevista foi decisiva para arruinar o relacionamento dos meus pais e machucou muitas pessoas. Me traz uma incrível tristeza saber que os erros da BBC contribuíram para os últimos anos de medo,paranoia e isolamento que marcaram a minha mãe.”

Harry, por seu lado, disse que a questão era muito maior que a BBC. “O efeito que isso tevena cultura de exploração e práticas antiéticas da imprensa, no limite, acabou provocando sua morte”, disse o príncipe. “Àqueles que assumiram alguma responsabilidade, obrigado. É o primeiro passo para a Justiça e a verdade. Ainda assim, esse comportamento é indiscriminado até hoje.”

O relacionamento dos dois irmãos está abalado desde que Harry decidiu renunciar às suas obrigações reais em virtude do tratamento dado por membros da família real à sua mulher, a duquesa de Sussex, Meghan Markle. Entre os motivos citados pelo príncipe para a decisão, está o tratamento da imprensa ao caso, que evoca a relação da mídia com Diana nos anos 90.

Investigação interna

Em novembro passadoa BBC anunciou uma investigação independente, realizada pelo ex-juiz da Suprema Corte britânica John Dyson, sobre as circunstâncias que envolveram a entrevista Lady Di. 

A investigação,  divulgada em primeira mão pelo jornal inglês The Telegraph,  indica que o jornalista britânico Martin Bashir falsificou documentos para obter a entrevista. A investigação revela ainda que funcionários da BBC acobertaram suas ações.

Martin Bashir teria mostrado extratos bancários – que se revelaram falsos– a Charles Spencer, irmão de Diana, afirmando que pessoas eram pagas para espionar sua irmã. Segundo este último, foi isso que o levou a apresentar o jornalista a Lady Di.

A BBC e a Monarquia

O diretor da BBC, Richard Sharp, disse que a corporação aceitou o resultado da investigação e disse que os erros são inaceitáveis. A rede pública britânica é um dos principais símbolos do país e sua história confunde-se com a da monarquia. Foi por meio das ondas do rádio da BBC que o rei Edward VII fez sua primeira transmissão radiofônica, no começo do século 20.  Em 1936, a abdicação de seu filho, Edward VIII, também veio a público pelas ondas radiofônicas da BBC. 

Os discursos transmitidos pela rádio durante a Segunda Guerra Mundial, no reinado de George V, foram cruciais para manter o moral da população britânica durante o bombardeio nazista ao arquipélago em 1940. 

A investigação, para muitos observadores da imprensa britânica, coloca em cheque os padrões editoriais da BBC. Nos anos 90, o frenesi envolvendo a família real levou muitos tablóides a cruzarem a linha da ética jornalística em busca de imagens e histórias envolvendo os filhos da rainha Elizabeth II.

'Temos três pessoas no casamento'

A entrevista, que lançou a carreira de Bashir, atualmente com 58 anos, foi uma bomba na imprensa. Nela, Diana afirmou que havia "três pessoas" em seu casamento - uma referência à relação extraconjugal do príncipe Charles com Camilla Parker-Bowles, hoje sua esposa - e admitiu que ela mesma estava tendo um caso. Diana faleceu dois anos depois, em um acidente de carro em Paris, em 1997.

Em meados de maio, a BBC anunciou a demissão de Martin Bashir, por motivos de saúde. Desde 2016, ele era responsável pela cobertura religiosa para este grupo audiovisual público.

Depois desta entrevista, o jornalista continuou sua carreira nos Estados Unidos, até voltar para o Reino Unido para trabalhar na BBC./ REUTERS  e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.