Abir Sultan/Pool via Reuters
Abir Sultan/Pool via Reuters

Príncipe William visita Esplanada das Mesquitas em Jerusalém

Equipe do duque de Cambridge insiste no caráter apolítico da viagem, a primeira oficial de um membro da família real a Israel e aos territórios palestinos

O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2018 | 09h07
Atualizado 28 de junho de 2018 | 11h05

JERUSALÉM - O príncipe William visitou nesta quinta-feira, 28, com um grande esquema de proteção, a Esplanada das Mesquitas em Jerusalém Oriental, um local muito sensível e venerado por muçulmanos e judeus, que o denominam Monte do Templo, e que está no centro do conflito entre israelenses e palestinos.

+ Príncipe William visita Cisjordânia e diz estar esperançoso pela paz no Oriente Médio

+ Príncipe William vai a Israel e visita Memorial do Holocausto em Jerusalém

A visita do príncipe - segundo na ordem de sucessão à coroa britânica - é inédita por parte de um membro tão importante da família real, informaram fontes britânicas.

+ Príncipe William chega a Israel para visita à Terra Santa

+ Príncipe Harry e Meghan participam de homenagem ao aniversário da rainha

O príncipe William e sua delegação contaram com uma importante proteção israelense e estavam acompanhados por representantes religiosos.

O duque de Cambridge entrou no Domo da Rocha, cuja cúpula, que domina a paisagem na Cidade Antiga, é emblemática em Jerusalém. Pouco depois, a delegação seguiu para a Mesquita de Al-Aqsa, terceiro local mais sagrado para os muçulmanos.

A equipe do príncipe insiste no caráter apolítico da visita, a primeira oficial de um membro da família real a Israel e aos territórios palestinos. Mas o exercício diplomático é delicado. A Esplanada das Mesquitas e a Cidade Antiga ficam em Jerusalém Oriental, parte palestina da cidade.

Israel anexou Jerusalém Oriental e proclama toda a cidade sagrada como sua capital "indivisível". Mas os palestinos querem que ela seja a capital do Estado que aspiram.

Por razões históricas, a Esplanada está sob a administração da Jordânia, mas todos os acessos são controlados pelas forças de segurança de Israel. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.