Amr Abdallah Dalsh/Reuters
Amr Abdallah Dalsh/Reuters

Prisão de ex-presidente Mubarak é prorrogada por 15 dias no Egito

Decisão da Procuradoria foi anunciada nesta terça; ele é investigado pela morte de manifestantes

AE, Agência Estado

10 de maio de 2011 | 14h48

CAIRO - A procuradoria do Estado egípcia decidiu nesta terça-feira, 10, renovar por mais 15 dias a detenção do ex-presidente Hosni Mubarak.  

 

Veja também:

especialInfográfico: A lenta agonia de Hosni Mubarak

blog Arquivo: A era Mubarak nas páginas do Estado

lista Perfil: 30 anos de um ditador no poder

 

Por meio de um comunicado, o procurador Abdel Maguid Mahmud anunciou a decisão de manter Mubarak detido. O ex-presidente renunciou em 11 de fevereiro, depois de 18 dias de protestos populares que pediam sua saída do governo.

 

Mubarak é investigado pela morte de manifestantes durante a repressão aos protestos e também por corrupção. As manifestações tiveram início em 25 de janeiro passado, data que ficou marcada como sinônimo da oposição popular a Mubarak.

 

No comunicado da Procuradoria, Mahmud "ordenou a prisão preventiva do ex-presidente Hosni Mubarak por 15 dias, que começarão quando terminar sua atual detenção" em 12 de maio, afirma o comunicado.

 

Condenação

 

Na última semana o ministro da Justiça egípcio Mohamed Abdelaziz al-Juindy disse que Mubarak poderá ser condenado à morte se for condenado por ordenar o assassinato de opositores.

 

"Uma das acusações que ele (Mubarak) enfrenta é a de cumplicidade na matança dos mártires e por dar a ordem para que tais pessoas fossem assassinadas", disse al-Juindy. Segundo ele, a punição para esses crimes "é dura". "É a pena de morte", completou.

 

Livros escolares

 

De acordo com a AP, uma comissão formada pelo Ministério egípcio da Educação para revisar livros escolares de história "recomendou" a omissão de textos sobre o regime de Mubarak.

 

A agência informa que a comissão ministerial aconselhou que "os capítulos bajulando o regime do presidente Hosni Mubarak" sejam omitidos.

 

Com Agência Estado e AP

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoprisãoMubarak

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.