Prisão de Pinochet é suspensa, mas processo continua

Os advogados que defendem o ex-presidente do Chile, Augusto Pinochet, entraram com recurso na Corte de Apelação de Santiago e conseguiram a suspensão da ordem de prisão domiciliar decretada na segunda-feira pelo juiz Juan Guzmán. Apesar disso, Pinochet ainda terá que responder a processo pelo seqüestro de nove dissidentes políticos e a morte de um deles. A decisão de processar o ex-general foi tomada depois que o juiz chegou à conclusão de que ele está apto para comparecer ao tribunal para ser julgado. Guzmán afirmou que decidiu abrir o processo após analisar exames e uma entrevista que Pinochet deu a um canal de televisão norte-americano em novembro de 2003. Durante a entrevista, o ex-presidente disse que se via como "um bom anjo" e culpou seus subordinados pelos abusos que aconteceram durante o seu governo. Entre os vários casos investigados, o general é acusado por uma ligação com a Operação Condor, um plano de coordenação das diversas ditaduras sul-americanas durante as décadas de 70 e 80 com o objetivo de reprimir dissidentes.O caso com base no qual foi aberto o processo na segunda-feira não é o único em que a possível participação do ex-presidente é investigada. Pinochet, de 89 anos, também é investigado por lavagem de dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.