Prisioneiros mortos em base dos EUA foram espancados

Legistas militares determinaram que dois prisioneiros que morreram numa base dos EUA no Afeganistão, em dezembro, foram vítimas de homicídio, disse um porta-voz militar. Uma investigação do Exército dos EUA sobre as mortes continua, afirmou o coronel Roger King, porta-voz das forças dos EUA na base em Bagram, Afeganistão.Os dois prisioneiros morreram em 3 e 10 de dezembro na prisão improvisada no complexo dos EUA na base afegã ao norte de Cabul. As autópsias que classificaram as mortes de homicídio mostraram que os homens foram espancados, e um tinha sangue coagulado no pulmão, disse King.Forças americanas mantêm um número desconhecido de prisioneiros em Bagram. Um oficial paquistanês informou que entre os detidos está Khalid Shaikh Mohammed, um líder da Al-Qaeda capturado no fim de semana no Paquistão.Um grupo de direitos humanos havia pedido em dezembro uma investigação independente sobre denúncias de que há torturas em Bagram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.