´Problema bancário´ trava diálogo com Coréia, diz Hill

O negociador dos EUA para o processo de desnuclearização da península coreana, Christopher Hill, reconheceu que as conversas de seis lados continuam travadas nesta quarta-feira, 21, como aconteceu na terça-feira, 20, e atribuiu a dificuldade a "problemas nas gestões bancárias entre China e Coréia do Norte".Segundo Hill, a transferência de US$ 25 milhões das contas do Banco Delta Asia, de Macau, ao Banco da China, em Pequim, não se concretizou. "É um problema bancário entre Coréia do Norte e China, e enquanto não for resolvido os norte-coreanos não querem discutir questões importantes", admitiu Hill aos jornalistas.Hill, decepcionado com o bloqueio quando a negociação entrava num de seus melhores momentos, lamentou o fato de que a tramitação de papéis tenha atrasado "uma boa oportunidade para continuar o diálogo"."Nós e as outras delegações estamos esperando pelo preenchimento de formulários e envio de faxes", desabafou, visivelmente irritado com a lentidão da burocracia bancária chinesa.O negociador sul-coreano, Chun Yung Woo, também pareceu irritado. Ele comentou que, diante da situação, "é uma perda de tempo continuar em Pequim", sede das conversas de seis lados."Estamos esperando que a China encontre uma solução", acrescentou.A Coréia do Sul, encarregada da primeira remessa de petróleo à Coréia do Norte, já preparou o envio. Mas vai esperar o fechamento do reator de Yongbyon e a chegada de observadores da Agência Internacional de Energia Atômica ao país comunista."Os grandes obstáculos foram derrubados, mas ainda restam os pequenos", resumiu o diplomata sul-coreano.Na tarde desta quarta-feira, a China deve anunciar o fim da atual rodada. O negociador russo já disse que na quinta-feira, 22, estará de volta à Rússia.Hill disse nesta quarta-feira aos jornalistas que não acredita que o atual bloqueio seja uma desculpa da Coréia do Norte para manter o seu programa nuclear."Eles deixaram claro que mantêm os acordos de 13 de fevereiro, mas querem que o dinheiro seja transferido para suas contas", explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.