Problema de Lugo é pessoal, diz Lula

Para brasileiro, reivindicações de paternidade não afetam governo

AFP E EFE, O Estadao de S.Paulo

24 de abril de 2009 | 00h00

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, disse ontem que o escândalo aberto no Paraguai pelas reivindicações de paternidade feitas ao presidente Fernando Lugo não representa um problema "político nem institucional". "É muito difícil falar da vida pessoal de outro presidente, mas não acho que haja um problema institucional ou político grave (no Paraguai)", declarou Lula, durante uma visita a Buenos Aires. "O Paraguai é muito maior que isso."Nas últimas duas semanas, três mulheres disseram ter filhos de Lugo, um bispo que pediu à Igreja Católica uma licença para participar da política em seu país. O presidente paraguaio reconheceu que é pai de uma das crianças, concebida enquanto ele era bispo de San Pedro (centro do Paraguai), mas ainda não se pronunciou sobre os outros dois casos. Na quarta-feira, circulava no Paraguai a versão da existência de uma lista de seis outras mulheres que atribuíam a Lugo a paternidade dos filhos delas. A oposição pediu a abertura de uma investigação para verificar se o caso amoroso do presidente com uma das três mulheres teve início quando ela era menor de 18 anos - o que no Paraguai configuraria um estupro. Com isso, surgiram rumores de que os críticos de Lugo poderiam tentar abrir um processo de impeachment. O governo paraguaio alega que o presidente não pode ser submetido a um processo político porque o escândalo diz respeito à sua vida privada. "A Constituição estabelece claramente por quais razões se pode processar um presidente e uma questão pessoal não está entre elas", disse ontem o ministro do Interior, Rafael Filizzola.O vice-presidente, Federico Franco, que nos últimos meses vem se distanciando de Lugo por discordâncias em relação às mudanças em seu gabinete também saiu em sua defesa. "Temos diferenças com Lugo, mas meu partido não apoiará um processo contra ele", disse. "Não sou desses que fazem lenha com árvore caída."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.