Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Processo de expurgo é parecido em regimes duros

Figuras em ascensão desaparecem após admissão de ?erros?

Roberto Simon, O Estadao de S.Paulo

06 de março de 2009 | 00h00

Um nome em ascensão dentro do regime acaba expurgado com grande alarde, acusado de trair a revolução. Em seguida, o "traidor" vem a público e, estranhamente, confirma as acusações ao anunciar o fim de sua carreira no partido. E assim acaba sua existência na história da revolução. O roteiro do afastamento do chanceler Felipe Pérez Roque e do secretário executivo do Conselho de Ministros Carlos Lage não parece novo e poderia ser encarado como um processo inerente a sistemas revolucionários. O expurgo e seus rituais, afirmam especialistas, seriam uma constante na história de regimes de partido único.Diferentemente de Cuba, os exemplos soviético e maoista envolveram milhões de mortes e culminaram em sistemas totalitários. A análise da disputa pelo poder, entretanto, pode revelar semelhanças."O paralelo com os processos de Moscou é óbvio", afirma o sociólogo e geógrafo Demétrio Magnoli, em referência aos julgamentos soviéticos da década de 30, que limparam a cúpula da URSS de opositores ao ditador Josef Stalin. Ritualmente, os acusados - figuras populares do regime - diziam-se culpados e eram condenados à morte. Assim, Stalin assegurou seu poder total.?DAZIBAO?A Revolução Cultural chinesa também usou amplamente o expurgo como instrumento de disputa dentro do PC. Para derrotar seus opositores, entre eles o futuro líder Deng Xiaoping, Mao Tsé-tung conseguiu seduzir as massas e monopolizar o processo revolucionário.Depois da morte de Mao, foi a vez de Deng isolar todas as figuras que pudessem ser associada ao ex-líder. Sua viúva, Jiang Qing - a "Madame Mao" - e o restante da "camarilha dos quatro", que comandou a Revolução Cultural, foram sentenciados à morte em julgamentos transmitidos à população. A autocrítica feita por expurgados chineses chegou a ganhar uma denominação própria: "Dazibao". Nos regimes de outros países asiáticos, como Laos e Vietnã, o expurgo também foi recorrente.O caso cubano não foge à regra. Possível sucessor de Fidel Castro, o herói da Baía dos Porcos e líder militar em Angola, Arnaldo Ochoa, estranhamente admitiu a acusação de tráfico de drogas à ele imputada - que levou à sua execução. Em 1999, foi a vez do chanceler Roberto Robaina deixar o círculo de poder, reconhecendo ter cometido "erros políticos e éticos". A falta de clareza nas regras de sucessão desses governos converteria a disputa pelo poder em "tramoias palacianas", diz Magnoli, algo inerente a todos os governos revolucionários desde a França de 1789. Publicamente, acusações de traição, aliança com o inimigo ou corrupção buscam justificar a manobra à população. O historiador da PUC-SP Antônio Pedro Tota também vê semelhanças entre vários casos, mas pede cautela com generalizações. Para ele, a "repetição de padrões históricos é limitada" e, no caso cubano, poderia esconder particularidades do regime. "É impossível, por exemplo, entender a revolução de Fidel sem considerar a cultura e o contexto latino e caribenho", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.