REUTERS/Leonardo Benassatto
REUTERS/Leonardo Benassatto

Procurador apresenta recurso contra afastamento de juiz do caso Odebrecht no Peru

Rafael Vela pede que decisão seja revista para reconduzir Richard Concepción Carhuancho ao caso de pagamento de propinas da empreiteira brasileira à filha do ex-presidente Alberto Fujimori

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2019 | 03h10

LIMA - O procurador Rafael Vela, coordenador das investigações envolvendo a Odebrecht no Peru, apresentou recurso nesta quinta, 17, contra o afastamento do juiz Richard Concepción Carhuancho, responsável pela prisão de Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, acusada de receber vantagens indevidas da empreiteira brasileira.

Carhuancho foi afastado do cargo na terça, 15, por decisão da Segunda Turma Penal de Apelações Nacionais. A corte aceitou ação apresentada pelo ex-chefe de campanha de Keiko, Jaime Yoshiyama, também investigado no caso. Ele acusa o juiz de parcialidade após declarações feitas pelo magistrado sobre a demissão de promotores responsáveis pelas investigações da Odebrecht. À época, Carhuancho afirmou que o Partido Força Popular, de Keiko, havia "capturado" a procuradoria pública peruana.

O afastamento foi considerado 'ilegal' por Vela. O procurador apresentou recurso à mesma turma de apelações por 'evidente indícios de dúvida de imparcialidade' e pede a reinstalação de Carhuancho como juiz responsável pelos processos.

Após decisão da corte de apelações, a juíza Elizabeth Vicenta foi designada para substituir Carhuancho. Fontes ligadas ao judiciário afirmam que a mudança não afetaria nenhuma decisão proferida no caso até o momento.

Na quarta, 16, centenas de pessoas participaram de uma manifestação em frente ao Palácio de Justiça do Peru, no centro histórico de Lima, para protestar contra o afastamento de Carhuancho. Por conta de suas decisões em casos envolvendo grandes figuras políticas, o magistrado se tornou uma figura pública do país e um juiz respeitado. Em 2017, a inteligência policial peruana desarticulou um plano de assassinato contra ele. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.