Procurador de Alepo deixa regime sírio

O procurador-geral de Alepo, Ahmed al-Nuaimi, anunciou ontem que abandonou o regime do ditador da Síria, Bashar Assad, por meio de um vídeo divulgado na internet - enquanto combates entre os rebeldes que tentam depor o presidente desde março de 2011 e as forças leais ao governo continuavam em torno do aeroporto da cidade, a segunda maior do país.

CAIRO, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2012 | 02h02

"Anuncio minha deserção desse regime criminoso e minha adesão ao Conselho de Justiça da Síria Livre, em razão dos massacres ferozes que o regime cometeu contra nosso povo inocente", disse, na gravação. O procurador dissidente pediu ainda que a Justiça internacional emita uma ordem de prisão contra Assad, a quem acusa de "cometer crimes contra a humanidade entre a população síria".

Al-Nuaimi juntou-se à crescente lista de altos funcionários públicos e comandantes militares sírios a abandonar o regime e anunciar seu apoio aos rebeldes. Na quarta-feira, o governo sírio sofreu uma embaraçosa baixa: o responsável por evitar deserções entre as Forças Armadas, Abdul Aziz al-Shallal, anunciou sua deserção.

Segundo o Exército Sírio Livre (ESL), caças MiG bombardearam o entorno do aeroporto de Alepo e, durante a noite, combatentes rebeldes enfrentaram soldados leais ao regime no bairro de Butsan al-Qasr, na mesma cidade.

Coordenação. A Coalizão Nacional Síria, principal aliança opositora do país, anunciou ontem a criação de uma entidade que tem a intenção de coordenar as atividades dos sírios que vêm abandonando o regime. O Sindicato Nacional Livre dos Empregados do Estado Sírio tem como objetivo "organizar os esforços e o trabalho dos desertores políticos sírios (...) nessa etapa final da revolução". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.