Procurador do Equador acusa Correa de ter atitude ditatorial

O procurador-geral do Equador, Francisco Cucalón, disse que o presidente do país, Rafael Correa, tem uma atitude ditatorial por questionar sua designação. Ele assegurou no domingo que não renunciará ao cargo, apesar das críticas que recebeu.Cucalón, que foi designado na quinta-feira passada por uma maioria de deputados do Congresso opostos a Correa, assinalou, além disso, que não despedirá os funcionários do Ministério Público que são contrários a ele.Se Correa impedir a posse do escritório da Procuradoria Geral em Quito estará "quebrando o estado de direito e entraremos em uma ditadura", afirmou Cucalón, que no passado foi destituído como agente fiscal, após ser atingido por um escândalo num caso de narcotráfico.O designado procurador-geral disse à emissora de TV Ecuavisa que não está preocupado com os protestos dos funcionários e assegurou que, apesar das críticas, todos "têm seus postos garantidos em nível nacional".Cucalón afirmou também que, como não pode chegar até seuescritório em Quito, nesta segunda feira vai exercer suas funções na cidade litorânea de Babahoyo, onde deve se reunir com todos os fiscais do país e com delegados das associações de funcionários.No entanto, a Associação de Empregados do Ministério Público, que ocupa as dependências em Quito, assegurou que o protesto será indefinido e que só será suspenso quando "Cucalón estiver fora da Procuradoria".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.