REUTERS/Carlo Allegri
REUTERS/Carlo Allegri

Procurador especial dos EUA apresenta novas acusações contra ex-assessores de campanha de Trump

Paul Manafort e Rick Gates são acusados de fraude fiscal e bancária, ampliando a batalha legal que começou no ano passado

O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2018 | 00h56

WASHINGTON - O procurador especial Robert Mueller apresentou nesta quinta-feira um novo conjunto de acusações criminais contra Paul Manafort e Rick Gates, ex-assessores de campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que inclui fraude fiscal e bancária, aumentando uma batalha legal que começou no ano passado.

As acusações constam do indiciamento contra os dois homens que foi apresentado em Alexandria, no Estado americano da Virgínia.

Manafort e Gates já enfrentam acusações criminais do gabinete de Mueller no tribunal distrital dos EUA para o Distrito de Columbia, que incluem conspiração para lavagem de dinheiro, conspiração para defraudar os EUA e falha em se registrarem como agentes estrangeiros para trabalhos políticos que fizeram para um partido político ucraniano pró-Rússia.

Eles estão entre os primeiros a serem acusados como parte de uma investigação de Mueller em andamento sobre se a campanha presidencial de Trump conspirou com a Rússia para influenciar a eleição de 2016. Trump tem negado qualquer conluio.

A última acusação inclui alegações de atos irregulares tão recentes quanto em janeiro de 2017 e diz que Manafort e Gates estavam desesperados por dinheiro quando seus negócios de lobby secaram.

O indiciamento diz que eles foram capazes de assegurar mais de 20 milhões de dólares em empréstimos ao inflar falsamente a renda de Manafort e de sua empresa de lobby e não divulgaram uma dívida existente.

Um porta-voz de Manafort não comentou imediatamente sobre as novas acusações e um advogado de Gates não pôde ser contatado imediatamente.

Tanto Manafort como Gates se declararam inocentes das acusações apresentadas no Distrito de Columbia.

“A Casa Branca tem repetidamente se recusado a comentar sobre as questões contra Manafort e Gates, pois isso não tem nada a ver com a Casa Branca ou com a campanha”, disse o advogado da Casa Branca, Ty Cobb, em resposta ao último indiciamento. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.