EFE/MICHAEL REYNOLDS
EFE/MICHAEL REYNOLDS

Procurador especial investiga genro de Trump

Robert Mueller está analisando os encontros que Jared Kushner teve com russos e examinando seus negócios e finanças

O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2017 | 22h49

WASHINGTON - O procurador especial designado para investigar a suposta ingerência da Rússia nas eleições de novembro nos Estados Unidos está analisando os negócios de Jared Kushner, genro e assessor do presidente Donald Trump, informou nesta quinta-feira o jornal The Washington Post.

Robert Mueller, escolhido pelo vice-procurador-geral dos EUA, Rod Ronsenstein, em 17 de maio para investigar também a possível coordenação da campanha de Trump com a Rússia para influenciar o resultado eleitoral, está examinando os negócios de Kushner e suas finanças.

Ao mesmo tempo, a equipe do procurador especial está investigando os negócios de outros assessores do presidente: o ex-conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn; o ex-chefe de campanha de Trump Paul Manafort; e o assessor de campanha, Carter Page.

As indagações sobre seu genro são significativas, pois se aproximam do circulo mais próximo a Trump e examinam uma  grande teia de negócios que Kushner, um multimilionário do setor imobiliário, teceu durante anos.

O Post conseguiu confirmar que o FBI (polícia federal americana) está investigando os negócios de Kushner depois que, em dezembro, este se reuniu com o embaixador russo nos EUA, Serguei Kysliak, e o banqueiro russo Serguei Gorkov.

Fontes de inteligência consultadas pelo jornal de Washington asseguraram, com base na versão do embaixador russo, que Kushner sugeriu a abertura de um canal de comunicação secreto para tratar as relações bilaterais.

A Casa Branca diminuiu a importância dessa reunião e de outra posterior com Gorkov, presidente do banco estatal Vnesheconombank, e as qualificou de meras formalidades no papel de assessor em temas de assuntos exteriores de Kushner.

O Vnesheconombank está submetido a sanções por parte dos Estados Unidos, enquanto Kysliak está no centro da polêmica suposta ingerência russa nas eleições por ter se reunido com, pelo menos, quatro assessores próximos a Trump durante a campanha ou a etapa de transição à presidência.

A equipe de Mueller ainda está nas fases iniciais das indagações, mas poderia, se considerar necessário, apresentar acusações contra Kushner.

Trump tachou de "caça às bruxas" as investigações sobre a possível ingerência russa nas eleições de novembro, que a comunidade de inteligência considera provada, e a coordenação da sua campanha com o Kremlin, sobre o que ainda não há evidências. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.