REUTERS/Marco Bello
REUTERS/Marco Bello

Procuradora desafia Maduro e diz que fica no cargo

Ortega afirma que não acatará ordem do TSJ e defenderá a democracia

O Estado de S.Paulo

11 Julho 2017 | 18h08

BUENOS AIRES - A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, disse nesta terça-feira a uma rádio argentina que se manterá no cargo "para defender a democracia" e não reconhecerá a decisão do Tribunal Supremo de Justiça sobre sua eventual destituição como chavista crítica do presidente Nicolás Maduro.

"Vou me manter firme no cargo para defender a democracia", disse Ortega em uma entrevista à emissora argentina Radio Con Vos.

O Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), acusado de seguir as ordens do governo, anunciará até quarta-feira sua decisão, depois da audiência ocorrida há uma semana, na qual o governo acusou Ortega de mentir em afirmações contra os magistrados.

"Denunciei os magistrados que estão me processando, pois eles não são legítimos. Não sei se vão me destituir ou não, aqui pode acontecer qualquer coisa", acrescentou Ortega.

No mesmo dia da audiência contra Ortega, no dia 4, o TSJ juramentou Katherine Harington como vice-procuradora e eventual substituta. Harington é conhecida como uma polêmica advogada chavista sancionada pelos Estados Unidos por supostas acusações de violações dos direitos humanos. 

Para Ortega, advogada de 59 anos, a decisão da corte está "viciada". Ela não comparecerá à audiência por considerá-la um "circo" e seus magistrados, nomeados pela anterior parlamento chavista, "ilegítimos".

Ortega rompeu com o governo em meio a uma convulsão social e política pelos protestos opositores contra Maduro, que deixaram 93 mortos desde 1.º de abril. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.