EFE/Cristian Hern?ndez
EFE/Cristian Hern?ndez

Procuradora dissidente acusa Maduro de terrorismo de Estado

Luisa Ortega que rompeu com o chavismo em abril e se tornou dissidente do governo, prometeu não reconhecer a decisão do TSJ anunciada na manhã de hoje,  que anula a sua nomeação para vice-procurador-geral e equipara os poderes da Defensoria Pública, que é leal ao governo, aos seus

O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2017 | 14h20

CARACAS - A procuradora-geral da Venezuela, Luísa Ortega Díaz, acusou nesta quarta-feira, 28, o governo do presidente Nicolás Maduro de praticar "terrorismo de Estado" com o auxílio do Poder Judiciário e das Forças Armadas. 

"Aqui parece que o país todo é terrorista", ironizou Ortega em referência às acusações de Maduro contra um membro da polícia científica que roubou um helicóptero para jogar granadas contra a sede do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) na terça-feira. "O que temos é um terrorismo de Estado."

A procuradora, que rompeu com o chavismo em abril e se tornou dissidente do governo, prometeu não reconhecer a decisão do TSJ anunciada na manhã de hoje,  que anula a sua nomeação para vice-procurador-geral e equipara os poderes da Defensoria Pública, que é leal ao governo, aos seus.

"Estão desesperados para que haja um golpe de Estado. Protegerei com a minha vida esta Constituição", disse Ortega, que criticou as ameaças de Maduro de usar "armas" para se manter no poder. "As armas devem ser usadas a favor do povo e não contra ele."

Luisa Ortega também acusou o governo de planejar um processo progressivo de desmanche do Ministério Público e disse que a intenção do TSJ é fazer com a procuradoria o mesmo que ocorreu com a Assembleia Nacional, controlada pela oposição: na prática, anular suas funções. "Perdeu-se o direito de manifestação e elas são reprimidas  cruelmente. Julga-se civis pela Justiça militar", disse. 

"Continua a ruptura institucional. Na Venezuela continua a violação da Constituição e o desmonte do Estado", concluiu."Estamos diante de ações de barbárie, que promovem a violência, o ódio e a insurreição armada. O governo está desesperado por uma intervenção militar ou um golpe de Estado." / EFE e AFP

 

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaNicolás Maduro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.