FOTO: diariodecuyo.com.ar
FOTO: diariodecuyo.com.ar

Procuradoria argentina confirma acordo sobre a Lava Jato 

Procuradores do país vizinho terão acesso a provas obtidas com delações premiadas de executivos da Odebrecht 

O Estado de S.Paulo

03 Agosto 2018 | 21h25

BUENOS AIRES - A Procuradoria-Geral da Argentina confirmou nesta sexta-feira, 3, o acordo com o Ministério Público do Brasil para ter acesso a provas obtidas com delações premiadas de executivos da Odebrecht dentro das investigações da Operação Lava Jato. O acordo havia sido anunciado no dia 16 pela Procuradoria no Brasil

Segundo comunicado do procurador-geral interino da Argentina, Eduardo Casal, o acordo será uma ferramenta para que procuradores argentinos possam ter acesso a informações e provas reveladas no Brasil em suas investigações. Ele lembrou que o acordo respeita os convênios internacionais assinados pelos dois países, assim como os princípios e normas jurídicas internas de cada um. “Ao mesmo tempo, se ajusta aos termos dos acordos de colaboração que as empresas e pessoas envolvidas realizaram no Brasil”, ressalta o comunicado. 

Além das delações premiadas, os promotores do país vizinho terão à disposição os acordos de leniência firmados entre empresários e a Justiça brasileira. 

+ Para entender: 10 pontos sobre 'Lava Jato argentina' que envolve kirchneristas e empresários

O pagamento de propinas de executivos da Odebrecht a funcionários do governo argentino tinha sido revelado no acordo firmado em 2016 pela construtora com autoridades de EUA, Suíça e Brasil. O documento revelou que a Odebrecht pagou US$ 35 milhões em propinas na Argentina, mas não informa quem foram os beneficiários.

Em maio, o advogado Pablo Maggio, que representa a Odebrecht na Argentina, afirmou que a empresa estava comprometida a colaborar para esclarecer os atos de corrupção dos quais é acusada, mas pediu respeito ao marco legal que estabelece a não abertura de novos processos no país contra aqueles que decidiram cooperar com a Justiça no Brasil. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.