Procuradoria colombiana destitui prefeito de Bogotá

A procuradoria-geral da Colômbia destituiu hoje Gustavo Petro do cargo de prefeito de Bogotá, segunda função eletiva mais importante do país, abaixo apenas da Presidência da República. Além de perder o cargo, Petro ficará inelegível por 15 anos.

AE, Agência Estado

09 de dezembro de 2013 | 18h36

O prefeito, na opinião do procurador Alejandro Ordóñez, foi punido por ter cometido o que qualificou como "falta gravíssima" na mudança do sistema de coleta de lixo da capital colombiana, ocorrida há um ano.

Segundo o promotor, ficou provada "a violação dos princípios constitucionais de livre empreendimento e competição". Na ocasião, a cidade estava sem coleta regular, o que levou ao acúmulo de toneladas de lixo nas ruas da cidade.

O prefeito bogotano pode recorrer da decisão diretamente a Ordóñez, ironicamente conduzido ao cargo em 2008 com o apoio do próprio Petro, senador na ocasião.

Ordóñez não especificou quando a decisão começaria a valer, mas advogados constitucionalistas consultados pela Associated Press disseram que a decisão ainda precisa ser homologada, o que pode demorar ainda algumas semanas.

Imediatamente após o anúncio da decisão, Petro usou as redes sociais para mobilizar seus seguidores. Horas depois, centenas de pessoas aglomeravam-se na Plaza de Bolívar para manifestar apoio ao prefeito.

"Peço ao mundo solidariedade. Estamos diante de um golpe de Estado contra o governo progressista da cidade de Bogotá", escreveu ele no Twitter. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaBogotáprefeitodestitui

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.