Paul White / AP
Paul White / AP

Procuradoria da Espanha pede até 25 anos de prisão para líderes separatistas catalães

Independentistas são acusados de rebelião e malversação pela tentativa de secessão de 2017, segundo documento divulgado nesta sexta

O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2018 | 08h24
Atualizado 05 Novembro 2018 | 19h12

MADRI - A Procuradoria espanhola solicita penas de entre 7 e 25 anos de prisão para os líderes independentistas catalães acusados de rebelião e malversação pela tentativa de secessão de 2017, afirma o documento de acusação divulgado nesta sexta-feira, 2.

A acusação mais grave recai sobre o ex-vice-presidente catalão Oriol Junqueras, que completa um ano de detenção nesta sexta-feira, por ser o principal dirigente político presente no julgamento contra 18 líderes separatistas que deve começar nos primeiros meses de 2019.

Carles Puigdemont, que era o líder do governo regional da Catalunha no momento da tentativa de separação, não estará no julgamento pois se encontra exilado na Bélgica e, no momento, está fora do processo.

Para Junqueras, a Procuradoria pede 25 anos de prisão por rebelião e malversação. Em seguida aparecem a ex-presidente do Parlamento catalão Carme Forcadell e os líderes de duas associações independentistas, Jordi Sánchez e Jordi Cuixart, com penas solicitadas de 17 anos de prisão apenas por rebelião. 

Os outros oito integrantes do governo catalão julgados são alvos de pedidos de penas de sete anos de prisão para os acusados apenas por malversação e 16 para os acusados também por rebelião e que, como Junqueras, Forcadell, Sánchez e Cuixart, estão em prisão preventiva.

Em um processo diferente, a Procuradoria solicita 11 anos de prisão para o ex-chefe da polícia regional catalã Josep Lluis Trapero, também acusado de rebelião.

A Procuradoria acusa o governo regional anterior, o Parlamento e as associações separatistas de desenvolver um "plano orquestrado" para "contornar a aplicação da lei e declarar a independência desta parte do território nacional, e obrigar o Estado a aceitar a separação do referido território".

O documento afirma que "o plano secessionista contemplava a utilização de todos os meios que fossem necessários para alcançar seu objetivo, incluindo (...) a violência necessária para assegurar o resultado criminal pretendido". A Procuradoria cita capacidade de mobilização do independentismo e o controle dos 17 mil agentes do corpo regional de polícia.

Desta maneira, a Procuradoria justifica a polêmica acusação de rebelião, que implica a existência de uma revolta "violenta" para obter a independência, algo negado pelos separatistas e por juristas renomados. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.