EFE/MIGUEL GUTIERREZ
EFE/MIGUEL GUTIERREZ

Procuradoria da Venezuela abre processo contra Capriles por 'irregularidades fiscais'

Para líder opositor, medida tem como objetivo amedrontar e evitar que ele faça campanha pelo referendo contra Maduro

O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2016 | 19h43

CARACAS - O líder da oposição venezuelana, Henrique Capriles, informou nesta terça-feira que, por nota publicada na imprensa, ficou sabendo que tinha se tornado alvo de investigação da Controladoria-Geral da Venezuela por suspeita de “irregularidades fiscais” de seu governo no Estado de Miranda, entre 2012 e 2015.

“Hoje, soube pela imprensa do processo da Controladoria-Geral, uma distração para me amedrontar” por parte do presidente chavista Nicolás Maduro “e seus covardes”, afirmou.

Na notificação publicada pelo opositor no Twitter, lê-se que o governador terá 15 dias úteis para apresentar provas em sua defesa e, cumprido o prazo, deverá se apresentar para argumentar publicamente.

Capriles disse a jornalistas que a investigação está ligada à contratação por parte do governo do canal particular Venevisión para a produção de “publicidade institucional”, à qual ele afirma ter direito.

Segundo o governador, trata-se de um procedimento iniciado pela controladoria venezuelana para impedir a luta dele pela convocação de um referendo sobre a revogação do mandato presidencial. “Trata-se de uma distração para nos assustar, para que eu desista do processo de revogação… e desista da luta em troca do fim do processo”, disse o político, duas vezes candidato derrotado à presidência.

Essa não é a primeira vez em que Capriles é investigado. Em fevereiro, a Controladoria-Geral também abriu uma investigação envolvendo irregularidades orçamentárias no governo dele em 2011, 2012 e 2013. Na ocasião, o opositor declarou que as investigações eram uma “retaliação política”.

Vizinhos. A coalizão opositora venezuelana Mesa da Unidade Democrática (MUD) divulgou nesta terça-feira seu apoio à assinatura dos acordos de paz entre o governo e as Farc, alertando também para uma possível migração dos guerrilheiros colombianos para a Venezuela.

“Fizemos um chamado para que pensemos nas consequências e desdobramentos da assinatura desse acordo. O fim do conflito é motivo de comemoração, mas esse conflito não pode ser transferido para a Venezuela”, afirmou Jesús “Chúo” Torrealba, secretário executivo da aliança de oposição, durante um programa que apresenta no rádio. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Nicolás MaduroTwitterFarcVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.