Tony Gentile/Reuters
Tony Gentile/Reuters

Procuradoria de Milão pede indiciamento de Berlusconi

Premiê é acusado de prostituir menores e abuso do cargo pelo ministério público

estadão.com.br,

09 de fevereiro de 2011 | 08h56

MILÃO - A procuradoria de Milão pediu à Justiça nesta quarta-feira, 9, o indiciamento imediato do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi por prostituir uma menor de idade e abuso de poder.

Um juiz terá cinco dias para decidir sobre o caso. Berlusconi nega ter tido uma conduta incorreta. No final de semana, milhares de pessoas protestaram contra ele na Itália.

 

A procuradoria acredita ter provas suficientes para que Berlusconi seja indiciado sem uma audiência preliminar. De acordo com as investigações, o premiê manteve relações sexuais com um número significativo de prostitutas, incluindo a marroquina Karima El Mahroug, conhecida como Ruby, quando ela ainda era menor de idade, o que é ilegal na Itália.

As investigações indicam ainda que o primeiro-ministro, de 74 anos, pressionou policiais para libertar Ruby, quando ela foi presa por roubo no ano passado. Berlusconi teria dito a oficiais que ela seria sobrinha do presidente do Egito, Hosni Mubarak.

Berlusconi nega as acusações. Diz que nunca pagou por sexo e que procuradores ligados à esquerda o perseguem e querem destruir sua carreira. O escândalo acontece após um racha na coalizão do premiê.

No ano passado, o primeiro-ministro sobreviveu a um voto de confiança no Parlamento após o presidente da Câmara Gianfranco Fini romper com ele e fundar uma nova legenda. Uma pesquisa divulgada na segunda-feira no jornal Corriere della Sera indica que 34% dos italianos ainda defendem sua permanência no cargo.

 

Com Efe e Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
Silvio BerlusconiItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.