Procuradoria de Zurique denuncia brasileira

A brasileira Paula Oliveira, que em fevereiro simulou ter sido vítima de um ataque neonazista em Zurique, na Suíça, foi denunciada ontem oficialmente pela procuradoria da cidade e terá de responder pelo crime de "induzir a Justiça ao erro". As autoridades locais rejeitaram a defesa de Paula, que alegava que ela tinha um estado mental instável. Agora, o futuro da brasileira, que está com o passaporte retido e não pode deixar a Suíça, será determinado por um juiz.

AE, Agencia Estado

17 de outubro de 2009 | 09h35

A procuradoria local quer o pagamento de multa. Se condenada, Paula ainda terá de pagar os gastos com advogados e peritos que trabalharam no caso. Em fevereiro, a brasileira chamou a polícia e afirmou que tinha sofrido um ataque na periferia de Zurique. Ela dizia estar grávida e ter sido agredida por neonazistas. Em seu primeiro depoimento, disse que o ataque teria causado o aborto de gêmeos. A denúncia mobilizou a diplomacia brasileira, que chegou a preparar uma ação na ONU. No entanto, dias depois, ela confessou que tudo não passava de uma armação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
brasileiraataqueneonazistasSuíça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.