Procuradoria do TPII pede 2 julgamentos separados para Mladic

Ex-líder sérvio-bósnio responderia pelo massacre de Srebrenica separadamente das outras acusações

Efe

17 de agosto de 2011 | 12h27

HAIA - O procurador do Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII), Serge Brammertz, solicitou aos juízes que separem a acusação contra o ex-líder militar servio-bósnio Ratko Mladic em duas, para realizar dois julgamentos independentes.

 

 

Veja também:

Os casos e o funcionamento do Tribunal para a Iugoslávia

lista Saiba quais os processos que Ratko Mladic enfrenta

documento Perfil: Mladic, o responsável pelo massacre de Srebrenica

 

 

Um deles seria centrado nas acusações referentes ao massacre de Srebrenica e o outro conteria as demais acusações, informou a Corte. No ano de 1995, mais de 8 mil jovens muçulmanos foram mortos em uma suposta ofensiva sérvio-bósnia, caso pelo qual ficou conhecido como "Carniceiro de Srebrenica".

 

 

Pela proposta da Procuradoria, publicada nesta quarta-feira, a separação da acusação procura "assegurar justiça para as vítimas e começar o julgamento o mais rápido possível".

 

Brammertz também solicita que se inclua na acusação de Srebrenica os crimes supostamente cometidos no município bósnio de Bisina.

 

Com os dois julgamentos correndo em separado, a Procuradoria considera que o tribunal estará melhor preparado "para lidar com circunstâncias inesperadas", como, por exemplo, a saúde de Mladic, além de "não prejudicar" o acusado.

 

O segundo julgamento incluiria as acusações referentes a Sarajevo, outros municípios e os casos sequestros de membros das Nações Unidas.

 

A realização deste outro julgamento "permitirá que Mladic tenha mais tempo para fazer pesquisas preliminares e preparar sua defesa, já que os fatos aos que se refere estão dispersos em um período de tempo muito amplo.

 

Além do massacre de Srebrenica, ele é acusado de crimes contra a humanidade e de guerra, supostamente ocorridos durante o ataque a Sarajevo, que causou a morte de 10 mil pessoas, durante a guerra bósnia (1992-1995).

 

O objetivo é evitar que se repita o ocorrido com o ex-presidente iugoslavo Slobodan Milosevic, que morreu em março de 2006, em sua cela, quatro anos depois do início de seu nunca finalizado julgamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.