JF Diorio|Estadão
JF Diorio|Estadão

Procuradoria panamenha não dará nomes de acusados em escândalo da Odebrecht

Número dois do órgão afirmou neste domingo que medida visa garantir 'o princípio de presunção de inocência' das pessoas imputadas; no Panamá há 24 investigações e 36 pessoas processadas em razão da propina paga pela empreiteira 

O Estado de S.Paulo

23 Julho 2017 | 22h27

PANAMÁ - A Procuradoria-Geral do Panamá não divulgará os nomes dos acusados de envolvimento no escândalo da empreiteira brasileira Odebrecht, acusada de pagar subornos a funcionários do governo em vários países da América Latina para obter contratos, disse neste domingo, 23, o número dois da instituição.

"O Ministério Público está impedido de dar nomes de pessoas imputadas por qualquer delito" para garantir "o princípio de presunção de inocência", disse Rolando Rodríguez, número dois da Procuradoria-Geral, em uma entrevista ao canal de televisão RPC, quando foi perguntado sobre os acusados no escândalo da Odebrecht.

Segundo Rodríguez, a Procuradoria panamenha revelará os nomes quando houver uma sentença definitiva "ou uma condenação dessas pessoas".

De acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Odebrecht pagou no Panamá mais de US$ 59 milhões em subornos entre 2010 e 2014.

A procuradora-geral, Kenia Porcell, disse há algumas semana que no Panamá há 24 investigações, 36 pessoas processadas e US$ 56 milhões apreendidos em ativos, relacionados ao escândalo da empresa.

A omissão dos nomes dos imputados gerou críticas de organizações da sociedade civil, que suspeitam que este silêncio busca encobrir altos funcionários do atual e de anteriores governos.

O ex-presidente Ricardo Martinelli (2009-2014) foi detido em Miami por ter recebido dinheiro supostamente da Odebrecht para financiar a campanha em 2014 do então candidato governista José Domingo Arias. 

Também estão envolvidos no escândalo os filhos de Martinelli, alvos de uma ordem de detenção da Interpol, por terem cobrado supostamente mais de US$ 20 milhões em comissões da empresa brasileira. / AFP

Procuradoria panamenha não dará nomes de acusados em escândalo da Odebrecht

Número dois do órgão afirmou neste domingo que medida visa garantir 'o princípio de presunção de inocência' das pessoas imputadas; no Panamá há 24 investigações e 36 pessoas processadas em razão da propina paga pela empreiteira 

PANAMÁ - A Procuradoria-Geral do Panamá não divulgará os nomes dos acusados de envolvimento no escândalo da empreiteira brasileira Odebrecht, acusada de pagar subornos a funcionários do governo em vários países da América Latina para obter contratos, disse neste domingo, 23, o número dois da instituição.

"O Ministério Público está impedido de dar nomes de pessoas imputadas por qualquer delito" para garantir "o princípio de presunção de inocência", disse Rolando Rodríguez, número dois da Procuradoria-Geral, em uma entrevista ao canal de televisão RPC, quando foi perguntado sobre os acusados no escândalo da Odebrecht.

Segundo Rodríguez, a Procuradoria panamenha revelará os nomes quando houver uma sentença definitiva "ou uma condenação dessas pessoas".

De acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Odebrecht pagou no Panamá mais de US$ 59 milhões em subornos entre 2010 e 2014.

A procuradora-geral, Kenia Porcell, disse há algumas semana que no Panamá há 24 investigações, 36 pessoas processadas e US$ 56 milhões apreendidos em ativos, relacionados ao escândalo da empresa.

A omissão dos nomes dos imputados gerou críticas de organizações da sociedade civil, que suspeitam que este silêncio busca encobrir altos funcionários do atual e de anteriores governos.

O ex-presidente Ricardo Martinelli (2009-2014) foi detido em Miami por ter recebido dinheiro supostamente da Odebrecht para financiar a campanha em 2014 do então candidato governista José Domingo Arias. 

Também estão envolvidos no escândalo os filhos de Martinelli, alvos de uma ordem de detenção da Interpol, por terem cobrado supostamente mais de US$ 20 milhões em comissões da empresa brasileira. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.