Prodi: atentado contra italianos não altera plano de retirada

O primeiro-ministro italiano, Romano Prodi, disse nesta terça-feira que o ataque contra um comboio italiano no Iraque, que deixou um morto e quatro feridos, não afeta os planos de retirada das tropas italianas do país. "Em relação à retirada de nosso soldados, nada muda", afirmou o premier ao Parlamento. "O novo tributo de sangue de nosso militares italianos não nos separa de nossos propósitos e não terá nenhuma repercussão no cronograma retirada de nosso contingente, que está sendo estudado pelo governo junto aos aliados e às autoridades iraquianas", acrescentou. O italiano Alessandro Pibiri morreu no ataque de segunda-feira e outros quatro soldados ficaram feridos, um deles gravemente, quando uma bomba explodiu e atingiu o carro no qual viajavam, a cerca de 100 quilômetros da cidade de Nassiriya, no sul do Iraque.O primeiro-ministro expressou seus pêsames para os familiares das vítimas e para a as Forças Armadas e reafirmou sua vontade de "reiterar a paz e seguir na luta contra o terrorismo".O ministro da Defesa da Itália, Arturo Parisi, também garantiu que o atentado de segunda-feira "não muda os planos e o programa de volta" das tropas.Parisi, em declarações à imprensa italiana, reconheceu que a preocupação com a situação no Iraque "se acentua ainda mais" devido ao atentado. Mas "nada muda nos planos e no programa de volta de nossos militares, que estamos acertando com o Governo iraquiano e as forças aliadas".Plano de retirada Prodi anunciou em 18 de maio que proporia ao Parlamento aretirada dos 2.600 militares postados em Nassiriya, "nos prazos técnicos necessários" e através de consultas com todas as partes interessadas para garantir as condições de segurança.O governo anterior, encabeçado por Silvio Berlusconi, também tinha feito pública sua intenção de retirar as tropas antes do fim deste ano, de forma escalonada e em consenso com Bagdá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.